1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Laurent Fabius deixa o governo Hollande

Integrante mais antigo do atual gabinete, chanceler francês renuncia para assumir principal tribunal constitucional do país. Saída abre caminho para uma grande reforma no impopular governo.

Membro mais antigo do gabinete de François Hollande, o ministro das Relações Exteriores da França, Laurent Fabius, anunciou nesta quarta-feira (10/02) estar deixando o cargo. Já esperada, sua saída abre caminho para uma grande reforma no impopular governo francês.

Fabius, de 69 anos, assumiu o ministério em 2012. Como chanceler, ele teve papel de destaque nas negociações da conferência do clima da ONU, em dezembro do ano passado. Ele assumirá agora o principal tribunal constitucional do país.

Em entrevista ao canal iTele, o ministro disse que seu único arrependimento durante o período em que esteve no governo foi que o mundo não seguiu a posição da França sobre a Síria – em 2013, Paris defendeu uma intervenção militar contra o regime de Bashar al-Assad.

Fabius questionou ainda o comprometimento dos Estados Unidos em resolver a crise. "Há ambiguidades, inclusive entre os atores da coalizão. Eu não vou repetir o que já disse muitas vezes, principalmente sobre o principal agente da coalizão. Mas não sentimos que esse seja um engajamento forte", afirmou.

Ainda não se sabe quem substituirá Fabius e se haverá mais movimentos dentro do governo antes das eleições presidenciais de 2017. A imprensa francesa aposta em nomes como o da ministra de Energia e Ecologia, Ségolène Royal, e do ex-primeiro-ministro Jean-Marc Ayrault, para assumir a chancelaria.

A saída de Fabius obriga o governo a fazer mudanças em momentos turbulentos para o Partido Socialista, que está dividido em meio ao ferrenho debate sobre a reforma constitucional planejada para reforçar a luta antiterrorismo. Em 27 de janeiro, a ministra da Justiça, Christiane Taubira, renunciou por divergências com a política de segurança do governo.

CN/rtr/afp/lusa

Leia mais