1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Latim volta a ser popular nas escolas e universidades da Alemanha

A "língua morta" é o terceiro idioma estrangeiro mais estudado nas escolas alemãs, atrás do inglês e do francês. Defensores dizem que o latim estimula o pensamento lógico e facilita o aprendizado de novas línguas.

O Johanneum é a mais antiga e tradicional escola de Hamburgo. Atrás das grossas paredes de tijolo do prédio construído no século 19, as línguas antigas sempre tiveram uma grande importância. Já a partir do quinto ano os alunos da escola de tradição humanista aprendem latim.

"Muitos pais escolhem o Johanneum porque querem uma educação especial para os filhos", diz a professora Anna Schünemann, que há quatro anos leciona latim e alemão na instituição. Ela vê esse elitismo com olhos críticos. O latim, diz a professora, é muito mais do que apenas uma matéria com a qual os pais esperam dar aos filhos vantagens futuras. Ela conta que é professora de latim por amor ao idioma, uma afeição que ela tenta passar aos seus alunos.

O estudo do latim está em alta nas escolas da Alemanha. O idioma de Ovídio é a terceira língua estrangeira mais estudada no país, atrás apenas do inglês e do francês. Cerca de 800 mil jovens alemães aprendem latim.

Lateinboom Schule Deutschland

A tradicional escola Johanneum, em Hamburgo, sempre deu espaço para o latim

Ovídio ainda é relevante

Para dar vida à era romana, Schünemann debate com os alunos uma imagem que ela projetou na parede da classe. Na imagem, romanos são vistos sentados numa tribuna. Spectatum veniunt, veniunt spectentur ut ipsae, lê a estudante Carla em seu livro de latim. Um colega traduz a frase: "Eles vêm para verem e serem vistos". Os alunos discutem avidamente qual é a relação das palavras do famoso poeta romano Ovídio, que viveu há mais de dois mil anos, com a vida que eles levam hoje.

Schünemann se esforça para deixar suas aulas atraentes, para despertar nos alunos o interesse pelo idioma e pela cultura romana. "No meu tempo de escola, tudo se resumia a estudar a língua", lembra a professora de 33 anos. Não é de se admirar, portanto, que a paixão dela pelas línguas antigas tenha começado apenas na universidade. Schünemann admite que optou pelo idioma apenas porque sabia que há uma grande demanda por professores de latim. E ela queria de todas as maneiras ser professora.

Lateinboom Schule Deutschland

Além da língua, a professora Anna Schünemann também transmite a cultura romana

Na escola e na universidade

Aparentemente outros jovens alemães também seguiram o mesmo raciocínio. Nos últimos sete anos, o número de estudantes de latim nas universidades alemãs cresceu. "O boom verificado nas escolas se refletiu nas universidades", observa Claudia Schindler, diretora do Instituto de Filologia Grega e Latina da Universidade de Hamburgo. "As universidades, que haviam reduzido drasticamente a oferta de latim nas últimas décadas, foram de repente confrontadas com uma grande massa de estudantes."

Seja movidos por interesses futuros, seja pela paixão pelo idioma, uma coisa os estudantes de latim têm em comum: eles optam pela língua por livre e espontânea vontade. Para quem ainda está na escola, as coisas não funcionam da mesma maneira. "Minha mãe queria que eu aprendesse latim", diz Ruben, que estuda no Johanneum. Os colegas exibem um sorriso de aprovação.

Ruben conta que preferia estudar italiano. Carla também admite que prefere inglês a latim. Outro colega, Markus, concorda que o que eles aprendem na classe será de pouco uso no futuro, mas diz ver vantagens em aprender o antigo idioma. "Latim é uma língua muito lógica e ajuda a pensar com clareza".

Lateinboom Schule Deutschland

Para Claudia Schindler, o latim é uma parte da cultura europeia e "nos leva de volta às nossas raízes"

Pensamento lógico

Muitos adultos argumentam da mesma maneira que esses estudantes de 14 anos. Mas, se na Alemanha o valor e os benefícios do latim são cada vez mais evidentes, essa não é a realidade em muitos países vizinhos. Com exceção da Áustria, o idioma está praticamente extinto nos currículos escolares. Mesmo estudantes italianos e franceses quase não entram mais em contato com a língua que deu origem às suas línguas maternas.

Schindler diz ainda que as aulas de latim oferecem uma grande ajuda para as crianças de famílias imigrantes. Ela cita um recente estudo da Universidade Humboldt, de Berlim, que afirma que a matéria tem uma grande força de integração. "Quando um estudante turco aprende latim, ele recebe também essa abordagem analítica do idioma, uma abordagem que o ajuda a aprender outras idiomas", diz Schindler.

Mas para ela e outros amantes do latim, o antigo idioma é muito mais do que uma base para aprender novas línguas, estimular o pensamento lógico ou a disciplina no aprendizado. "É uma parte de nossa cultura que nos leva de volta às nossas raízes", afirma.

Autora: Janine Albrecht (mas)
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais