1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Lama da Samarco se espalha pelo litoral do ES

Onda de rejeitos da mineradora Samarco percorreu 650 km até a foz do rio Doce, no distrito de Regência, em Linhares (ES). Empresa constroi barreiras nas margens e Projeto Tamar remove ninhos de tartarugas da região.

Os rejeitos da mineradora Samarco, que contaminaram o rio Doce, começaram a chegar neste sábado (21/11) ao litoral do Espírito Santo. A onda de lama que se formou depois do rompimento de duas barragens no município de Mariana (MG) no dia 5 de novembro percorreu 650 quilômetros até a foz, deixando um rastro de destruição ambiental.

Por causa do tempo seco, um banco de areia formado na foz impede a chegada da lama ao Oceano Atlântico. A Samarco, subsidiária da Vale e da anglo-australiana BHP, tenta desobstruir a passagem da água do rio no distrito de Regência, no município de Linhares. De acordo com a empresa, se a água continuar represada, os danos serão ainda maiores.

Para tentar salvar a vegetação, a mineradora instalou bóias de contenção nas margens do rio, que são geralmente usadas em caso de vazamento de óleo. São 9 mil metros de barreiras, informou a empresa.

Pesquisadores da Coppe/UFRJ preveem que a lama se espalhe por um raio de 9 quilômetros, principalmente ao sul da foz do rio Doce. O local é uma área de proteção de tartarugas marinhas e, para evitar a morte dos animais, o Projeto Tamar removeu vários ninhos na praia de Comboios.

A Defesa Civil recomendou, em caráter temporário, que as pessoas não tomem banho no rio e no mar nessas regiões por precaução. Ainda não há previsão sobre quando a parte mais densa da lama irá chegar ao litoral.

Em 16 dias, a passagem dos rejeitos pelo rio Doce provocou a interrupção do abastecimento de água em vários municípios de Minas Gerais e do Espírito Santo.

KG/abr/ots

Leia mais