1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Líderes religiosos fazem apelo pela paz

Convocados pelo papa João Paulo II, representantes das principais igrejas e religiões dos povos mundiais pediram nesta quinta-feira em Assis (Itália) uma coalizão pela paz e rejeitaram o terrorismo.

default

O papa João Paulo II a caminho de Assis (24/01/2002)

Durante o encontro de cúpula de todas as religiões, realizado na quinta-feira (24) em Assis (Itália), os líderes religiosos das principais religiões do mundo pediram a formação de uma coalizão em prol da paz e do entendimento entre os povos. Nos seus pronunciamentos, os líderes rejeitaram o terrorismo e fizeram um apelo por estruturas internacionais mais justas.

Um forte esquema de segurança acompanhou a chegada do trem especial, trazendo o papa João Paulo II e os demais líderes religiosos à estação de Santa Maria degli Angeli, próximo à cidade de Assis. O primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi recebeu os convidados, que foram saudados por milhares de fiéis ao longo da estação ferroviária.

No seu carro blindado, o papa dirigiu-se imediatamente à basílica de São Francisco. Em frente à praça da igreja e ao som dos sinos de todas as igrejas da cidade, o papa recebeu o patriarca de Constantinopla, Bartholomaios I, líder da igreja ortodoxa cristã, e em seguida as outras delegações: participantes judeus, muçulmanos e representantes das demais religiões mundiais.

Fomentar a paz

O patriarca Bartholomaios ressaltou em sua prece que as religiões precisam fomentar a paz. O bispo anglicano Richard Garrad afirmou que todas as correntes de fé precisam se empenhar de forma concreta pela reconciliação. O pai de santo do Benin Amadou Gasseto, representante das religiões da África do Oeste, disse que é preciso se criar no século 21 um mundo de justiça e fraternidade. O representante do hinduísmo, Didi Talwalkar, defendeu o ponto de vista de que as religiões mundiais precisam criar uma "coalizão", a fim de salvar o futuro comum.

Muçulmanos e judeus

O xá da mesquita Al-Azhar do Cairo, Mohammed Tantawi, enviou uma mensagem lida em Assis, exortando todas as religiões monoteístas a respeitar certos valores como a sinceridade, justiça, paz e bem-estar. São valores que fomentam a cooperação entre os povos e não a agressão, ressaltou o líder da mesquita do Cairo, instituição reconhecida pelos muçulmanos do mundo inteiro.

O rabino Israel Singer falou em nome dos judeus, condenando os atentados do dia 11 de setembro. Alguns loucos, agindo em nome de religiões, mataram milhares de pessoas e provocaram assim o primeiro conflito armado do século 21. Mas é um erro invocar a religião para justificar a violência contra outras crenças, disse o rabino.