Líderes iranianos homenageiam Rafsanjani | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 09.01.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Irã

Líderes iranianos homenageiam Rafsanjani

Autoridades do país destacam papel de clérigo xiita na Revolução Islâmica de 1979 e sua atuação como político. Presidente Hassan Rohani decreta luto oficial de três dias.

default

Ali Akbar Hashemi Rafjansani morreu aos 82 anos em decorrência de um infarto

Líderes iranianos lamentaram nesta segunda-feira (09/01) a morte do ex-presidente do Irã Ali Akbar Hashemi Rafsanjani. O clérigo muçulmano xiita, que foi um dos principais líderes da Revolução Iraniana de 1979, morreu aos 82 anos neste domingo em Teerã em decorrência de um infarto.

O líder supremo do Irã, Ali Khamenei, chamou Rafsanjani de companheiro de luta e amigo. "É difícil e dolorosa a falta do companheiro com quem a história de parceria foi de 59 anos", afirmou. Khamenei destacou a "grande inteligência e proximidade" com Rafsanjani durante a Revolução Islâmica de 1979. "Ele serviu como um apoio para todos os seus companheiros e principalmente para mim", acrescentou.

O presidente iraniano, Hassan Rohani, também expressou dor pela morte de Rafsanjani e decretou luto oficial de três dias e feriado nesta terça-feira, dia do funeral. Rohani afirmou que "a alma do grande homem da revolução e da política, símbolo de paciência e resistência, ascendeu ao céu".

O ministro do Exterior, Mohamad Javad Zarif, definiu Rafsanjani como "um grande cientista, um distinto ulemá, um guerreiro incansável e amigo de toda vida do imã Khomeini e do líder supremo [Khamenei]".

Líder reformista

Rafjansani foi presidente do parlamento de 1980 a 1989 e presidente do Irã entre 1989 e 1997. Ao morrer, ele ocupava o cargo de presidente do Conselho de Discernimento, a alta instância política do país responsável por mediar e resolver conflitos entre o parlamento e o Conselho dos Guardiões.

A presidência de Rafjansani foi marcada por denúncias de violação de direitos humanos. Em 1994, ele apareceu numa lista feita por promotores argentinos de suspeitos de ligação com um ataque a um centro judeu em Buenos Aires, que matou 85 pessoas. Segundo a revista Forbes, ele era um dos homens mais ricos do país.

Rafjansani também teve um papel relevante para a assinatura do recente acordo nuclear iraniano. O jornal The New York Times classificou a morte dele de um golpe para o movimento reformista iraniano. Rafjansani teve um papel importante para manter políticos linha-dura afastados do comando do país.

KG/efe/rtr/ap

Leia mais