Líderes europeus condenam ataque a igreja cristã no Egito | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 03.01.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Líderes europeus condenam ataque a igreja cristã no Egito

Merkel e Sarkozy qualificam atentado como ato bárbaro. Bento 16 pede empenho em favor da segurança de cristãos. Coptas que vivem na Alemanha dizem se sentir ameaçados.

default

A cruz cristã e o Alcorão são exibidos durante protestos no Egito, após o atentado à igreja

A comunidade internacional condenou duramente o ataque terrorista à igreja copta em Alexandria, que matou 21 cristãos na véspera do Ano Novo. Nesta segunda-feira (03/01), a chanceler federal alemã, Angela Merkel, solidarizou-se com o governo egípcio. "Com horror e espanto recebi a notícia do abominável atentado", diz telegrama endereçado ao presidente Husni Mubarak.

"O governo alemão condena com veemência esse atentado terrorista bárbaro, no qual cristãos e também muçulmanos perderam a vida", diz Merkel.

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, também condenou o que chamou de ato bárbaro. Numa carta escrita a Mubarak, Sarkozy disse que ninguém deveria temer pela própria vida ao exercer o direito fundamental de praticar livremente a fé.

O ministro italiano do Exterior, Franco Frattini, pediu que a União Europeia (UE) responda com força ao ataque e à discriminação de cristãos em todo o mundo. "Isso é uma confirmação trágica de que a intolerância religiosa, acima de tudo em relação aos cristãos, adquiriu uma intensidade e dimensão que é muito séria e alarmante e absolutamente inaceitável", disse Frattini.

O papa Bento 16 pediu ao líderes mundiais que defendam a comunidade cristã. "Perante os atos de discriminação, abuso e intolerância religiosa que atingem atualmente em particular os cristãos, as palavras não são suficientes, é necessário o empenho concreto e constante dos responsáveis das nações", disse o líder católico.

O presidente dos EUA, Barack Obama, classificou a explosão de "bárbara e ato hediondo". A alta representante da União Europeia para Política Externa, Catherine Ashton, também condenou o atentado.

Protest Bombenanschlag Kopten Ägypten

Cristãos protestam em frente à igreja copta

Contra a intolerância

Na Alemanha, parlamentares pressionaram o governo egípcio para que garanta o respeito à liberdade de religião. O porta-voz para Direitos Humanos do Partido Verde, Volker Beck, disse que "a condenação dos ataques não é o suficiente. O Egito e outros países precisam combater efetivamente os demônios da intolerância religiosa."

Stefan Müller, líder parlamentar da União Social Cristã (CSU), defendeu o condicionamento da ajuda para o desenvolvimento a garantias de respeito religioso. "Não pode haver ajuda financeira a países onde os cristãos não podem praticar sua fé sem obstrução".

Cristãos coptas que vivem na Alemanha disseram ter recebido ameaças de muçulmanos. Numa reportagem publicada nesta segunda-feira no jornal Bild , o bispo copta Anba Damian declarou: "A internet está cheia de ameaças de todos os tipos contra nós. A polícia nos alertou diversas vezes contra ataques de muçulmanos radicais".

No Egito

Segundo as investigações, a explosão na igreja cristã copta em Alexandria foi provocada por um homem-bomba. Outras 79 pessoas ficaram feridas. Ainda não se sabe quem teria planejado o ataque, mas as forças de segurança egípcias investigam um grupo radical local de islâmicos inspirado mas não ligado à Al-Qaeda.

Segundo a agência AFP, a igreja consta de uma lista de 50 templos coptas que poderiam ser alvos de atentatos, divulgada pela Al Qaeda na internet em 2 de dezembro passado.

O presidente Mubarak disse que o atentado tem a marca de "mãos terroristas", e o ministro do Interior também culpou "elementos estrangeiros" e fez indicações de militantes da Al-Qaeda.

Mubarak prometeu, em discurso na televisão, que vai "cortar a cabeça da cobra, confrontar o terrorismo e vencê-lo", e pediu aos cristãos e muçulmanos do Egito que se unam para enfrentar o inimigo comum.

O governo e jornais locais chamaram a atenção para o risco de uma guerra civil caso cristãos e muçulmanos não se aproximem. A imprensa também pede às forças federais que se preocupem mais com a situação dos coptas, que representam 10% da população egípcia, de 80 milhões de habitantes, e se dizem vítimas constantes de discriminação.

"Alguém quer explodir esse país. Nós precisamos entender que existe um plano com a intenção de provocar uma guerra civil religiosa", disse o jornal pró-governo Rose El-Yussef .

NP/apn/rtr/dpa/afp
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais