1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Líderes europeus comemoram resultado de referendo na Escócia

Representantes da UE afirmam que votos contrários à independência consolidam integração do bloco. Espanha, que luta contra a separação da Catalunha, diz que vitória unionista foi o melhor para a Europa.

Líderes europeus expressaram alívio nesta sexta-feira (19/09) com os votos favoráveis à manutenção da Escócia no Reino Unido. Na Europa, se espalha a preocupação de que o referendo gere uma onda de movimentos separatistas.

O secretário-geral da Otan, Anders Fogh Rasmussen, parabenizou o primeiro-ministro britânico, David Cameron, e disse ter certeza de que o Reino Unido continuará a desenvolver um forte papel de destaque na manutenção da aliança ocidental.

Em Bruxelas, a Comissão Europeia afirmou que os votos contrários à independência da Escócia foram positivos para consolidar uma Europa “unida e forte”. Para observadores, a derrota dos independentistas no referendo fortalece as chances de uma votação favorável à permanência britânica no bloco. Cameron prometeu a realização de uma consulta popular sobre o tema em 2017.

"Aplaudimos o fato de o governo escocês e a população do país terem reafirmado repetidamente seu comprometimento com a Europa", disse o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso.

Para o comissário de Comércio da UE, Karel De Gucht, uma divisão escocesa teria sido "catastrófica" para a economia da Europa, desencadeando um efeito dominó em todo o continente.

Antes mesmo de as urnas serem fechadas, o presidente francês, François Hollande, expressou preocupação com uma possível "desconstrução" da Europa depois de décadas de integração. A França é um dos Estados mais sólidos da EU. Apesar de possuir movimentos separatistas, como na Córsega e no País Basco, eles têm força limitada.

"Exemplo britânico"

Na Espanha, o presidente do governo (primeiro-ministro) Mariano Rajoy declarou que o resultado do referendo na Escócia foi o melhor para a Europa. Madri tem combatido a reivindicação histórica de independência da região da Catalunha.

"Os escoceses evitaram uma série de consequências institucionais, políticas, econômicas e sociais”, afirmou. “Eles escolheram a opção favorável para todos: para si mesmos, para todos do Reino Unido e para o resto da Europa."

A Alemanha demonstrou apoio ao governo espanhol. O porta-voz da chanceler federal Angela Merkel disse que o referendo na Escócia foi uma "situação legal completamente diferente" da que existe na Catalunha.

Em comunicado, o ministro das Relações Exteriores alemão, Frank-Walter Steinmeier, se disse impressionado com "a cultura democrática exemplar do Reino Unido."

Já para o presidente do governo regional catalão, Artur Mas, a tentativa de realizar uma votação sobre a independência da Catalunha ganhou um reforço com o referendo na Escócia, mesmo com a grande resistência imposta por Madri.

"O processo na Catalunha continua, está avançando e ganha um reforço depois de um país da União Europeia permitir a votação", declarou.

Na semana passada, mais de 500 mil pessoas vestidas de vermelho e amarelo, as cores da bandeira catalã, tomaram as ruas do centro de Barcelona para exigir que o governo espanhol autorize um referendo sobre a independência da Catalunha no dia 9 de novembro.

Madri, no entanto, considera a consulta popular inconstitucional. Com a aprovação de uma nova lei nesta sexta-feira, o Parlamento regional da Catalunha pretende fazer a convocação do referendo.

KG/afp/lusa

Leia mais