Líderes europeus adiam decisões sobre a crise do euro | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 23.10.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Líderes europeus adiam decisões sobre a crise do euro

Líderes da União Europeia estiveram em Bruxelas para solucionar a crise da dívida, porém decisões devem ser tomadas somente em uma segunda cúpula. Fundo Europeu de Estabilidade Financeira continua em debate.

Oct. 23, 2011 - Brussels, BXL, Belgium - German Chancellor Angela Merkel and French president Nicolas Sarkozy give a press briefing during an European Council at the Justus Lipsius building, EU headquarters in Brussels, Belgium on 2011-10-23 Europe aimed to nail down a solution to the worst economic crisis in its history, as the spotlight at an emergency meeting of EU leaders fell on Italy amid contagion fears in the eurozone. The two key players, Germany Chancellor Angela Merkel and French President Nicolas Sarkozy, hailed 'progress' in fighting the crisis as finance ministers thrashed out a framework to protect banks after a marathon session of talks. by Wiktor Dabkowski

Merkel (esq) e Sarkozy (dir) após cúpula da UE em Bruxelas

Líderes europeus reunidos neste domingo (23/10) em Bruxelas não chegaram a um acordo sobre a nova estratégia que a União Europeia (UE) irá adotar para o combate à crise das dívida. Tudo está adiado para quarta-feira (26/10). A grande divergência continua sendo a melhor forma de aproveitar o poder de fogo do Fundo Europeu de Estabilidade Financeira (FEEF).

Italian Prime Minister Silvio Berlusconi, center, arrives for an EU summit in Brussels on Sunday (23.10.11). Auf dem EU-Gipfel in Bruessel haben die Staats- und Regierungschefs am Sonntag einen Schuldenschnitt fuer Griechenland vorbereitet. Bei einem Folge-Gipfel am Mittwoch (26.10.11) soll ein Gesamtpaket zur Eindaemmung der Schuldenkrise verabschiedet werden. (zu dapd-Text) Foto: Thierry Charlier/AP/dapd

Berlusconi: Itália é pressionada a fazer "dever de casa"

Duas opções se mantêm em negociação. A primeira seria dar ao FEEF a capacidade de servir como seguro parcial face a perdas dos investidores privados que comprem títulos da zona do euro.

A segunda seria a criação de um fundo especial de apoio no FMI que beneficiaria o financiamento por parte dos países emergentes, como China e Brasil.

França e Alemanha parecem ter suavizado o debate sobre como potencializar os 440 bilhões de euros disponibilizados pelo FEEF. O presidente francês, Nicolas Sarkozy, disse que um acordo de longo prazo está prestes a ser composto, porém ainda "faltam horas de negociação".

Já a chanceler federal alemã, Angela Merkel, sublinhou que a ideia francesa de fazer com que o FEEF opere como um banco está descartada.

Dever de casa

Sarkozy espera que o novo encontro desta quarta-feira acalme os mercados. A expectativa é que sejam endossados os cálculos dos ministros das Finanças, que indicam que os bancos precisam de recapitalização em torno de 108 bilhões de euros.

Uma das saídas em questão é oferecer garantias do FEEF para os detentores dos títulos da zona do euro com ajuda de países emergentes.

Greek Prime Minister George Papandreou speaks with the media as he arrives for an EU summit in Brussels on Sunday, Oct. 23, 2011. Greece's prime minister is pleading with European leaders in Brussels to act decisively to solve the continent's debt crisis. At a summit Sunday, the leaders are expected to ask banks to accept huge losses on Greek bonds to ease the pressure on the country, and to raise billions more in capital to weather those losses. (Foto:Geert Vanden Wijngaert/AP/dapd)

Papandreou: a crise não é só nossa

A forma de articular o plano seria pauta da reunião do G20 em novembro, em Cannes. A "influência" do FEEF tem sido negociada com bancos para que eles aceitem assumir perdas de até 50% nos débitos gregos em troca de garantias da UE e do FMI. Alemanha e França pressionaram Grécia e Itália para implementarem reformas.

"Não se pode pedir solidariedade dos sócios europeus sem que se faça o dever de casa", disse Sarkozy. Já Merkel chamou o primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, para uma "conversa entre amigos".

A chanceler teria salientado que, se a terceira economia da região não reduzir seu endividamento, estimado em 1,91 trilhão de euros, nenhum fundo de resgate estabilizará a zona do euro.

"A crise não é somente nossa"

O primeiro-ministro da Grécia, George Papandreou, disse que o povo grego é digno de orgulho e espera respeito, apesar da situação drástica. Ele salientou que não se trata de uma crise grega, mas de uma crise europeia.

"A Grécia sempre mostrou que tomou as decisões necessárias para ajustar a economia e lhe dar capacidade de sobrevivência", disse.

Moody's senkt Kreditwürdigkeit Spaniens um zwei Stufen ARCHIV - ILLUSTRATION - Eine spanische Ein-Euro-Münze, aufgenommen am 09.03.2010 in Frankfurt am Main (Illustration). Nachdem bereits Fitch und Standard & Poor's die Kreditwürdigkeit Spaniens nach unten korrigiert hatten, ist nun auch Moody's gefolgt. Die US-Ratingagentur senkte ihre Bewertung für spanische Staatsanleihen um zwei Stufen von «Aa2» auf «A1». Foto: Tobias Kleinschmidt dpa (zu dpa 1673 vom 18.10.2011) +++(c) dpa - Bildfunk+++

Nova reunião deve definir futuro do Euro

O relatório da troika, elaborado por técnicos do Banco Mundial, do Fundo Monetário Internacional e da Comissão Europeia, projeta que a dívida grega chegue a 162% do desempenho econômico do país em 2011. A expectativa é de este índice subir para 186% até 2013.

O relatório aponta que, para conseguir liquidez sem ajuda externa, a Grécia "não poderia voltar aos mercados até 2021". Os técnicos que acompanham a crise calculam que o país necessite de mais 252 bilhões de euros até 2020.

Numa projeção pessimista, o montante pode chegar a 444 bilhões de euros. Este cenário será possível, caso a recessão se agrave, as privatizações não avancem ou a sobrecarga de risco dos títulos da dívida cresçam.

MP/dw/afp/lusa
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais