1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Líderes da União Europeia propõem reforma da zona do euro

Autoridades do alto escalão da UE divulgam relatório com medidas para estabilizar o bloco econômico europeu. Além de mudanças estruturais, eles pleiteiam por um controle mais rígido sobre economias dos países-membros.

default

Líderes europeus, da esq. à dir., Martin Schulz, Jeroen Dijsselbloem, Jean-Claude Juncker e Donald Tusk, em Bruxelas

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, sugeriu nesta segunda-feira (22/06) medidas concretas para estabilizar a zona do euro, incluindo um controle conjunto mais estreito sobre as economias dos países-membros e punições mais rigorosas para aqueles que desrespeitarem as exigências fiscais.

O relatório, com o título oficial "Completando a União Econômica e Monetária da Europa", foi encomendado no ano passado pelos líderes da União Europeia (UE) na esperança de mapear formas de prevenir o tipo de instabilidade financeira vivenciada nos últimos anos e meio a uma recessão global.

O documento inclui medidas de curto prazo que poderiam ter efeito dentro de dois anos, como um sistema de seguro de depósito bancário comum, mas também ideias de longo prazo e que também são mais ambiciosas, como o estabelecimento de uma tesouraria comum da zona do euro.

Juncker assinou o relatório ao lado de outras quatro autoridades do alto escalão da UE, incluindo o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, o presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, e o líder dos ministros das Finanças da zona do euro, o ministro holandês Jeroen Dijsselbloem.

Várias fases e representação integral

Para melhor coordenação das políticas econômicas dos Estados-membros, o relatório propõe um presidente em tempo integral para o Eurogrupo e a representação da zona do euro em organismos internacionais como o Fundo Monetário Internacional (FMI). No entanto, a fim de possibilitar a criação de uma só voz da zona do euro, países como Alemanha ou França teriam de desistir dos seus direitos de voto em instâncias internacionais como o FMI.

O relatório também sugere a rápida criação de autoridades nacionais de competitividade, que pressionariam os governos a seguir políticas que promovam a produtividade e o crescimento econômico. O texto pede maiores esforços para aumentar as taxas de emprego e afirma que as auditorias dos orçamentos nacionais devem ser mais "fortes", a fim de reformar o precário sistema previdenciário.

As recentes medidas de combate à crise do euro também podem ser preservadas na nova legislação da UE em 2025, mas isso exigiria a aceitação por parte dos parlamentos nacionais dos países-membros.

Os chefes de Estado e de governo da UE têm uma primeira oportunidade de discutir o conteúdo do relatório dos cinco presidentes numa cúpula em Bruxelas, de quinta a sexta-feira, que pode ainda ser dominada por esforços para impedir o calote da Grécia e manter o país na zona do euro.

PV/rtr/ots

Leia mais