Líder tchetcheno reivindica autoria de atentado no aeroporto de Moscou | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 08.02.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Líder tchetcheno reivindica autoria de atentado no aeroporto de Moscou

Rebelde tchetcheno Doku Umarov afirma que o ataque foi uma retaliação "aos crimes russos no Cáucaso". Em 2010, ele havia assumido a autoria de atentados contra o metrô de Moscou.

default

Doku Umarov autoproclama-se "Emir do Cáucaso"

O líder rebelde tchetcheno Doku Umarov reivindicou num vídeo a responsabilidade pelo atentado a bomba ocorrido no mês passado no aeroporto moscovita de Domodedovo. No atentado foram mortas 37 pessoas e mais de 100 ficaram feridas.

"Esta operação foi realizada sob minhas ordens", afirma o terrorista de 46 anos, que no vídeo veste uma jaqueta camuflada do exército e um gorro preto. Ele é conhecido como o "Bin Laden da Rússia".

No vídeo de mais de 16 minutos, postado na noite desta segunda-feira (07/02) num site tchetcheno, Umarov afirma que agiu em nome de Allah e que o objetivo do ataque é a instalação de um estado islâmico no norte do Cáucaso. Segundo ele, a explosão foi planejada para o salão de desembarque internacional do aeroporto porque o objetivo era matar estrangeiros.

O ato brutal é descrito como uma retaliação ao que chama de "crimes russos no Cáucaso". De acordo com ele, os muçulmanos na região se encontrariam "numa guerra contra o exército de ocupação russo".

No vídeo anterior, postado no domingo passado no mesmo site, o terrorista afirma que outro membro extremista, "um irmão", havia sido enviado a uma "operação especial". Oficiais de segurança russos dizem que o atentado foi cometido por um jovem de 20 anos, Magomed Yevloyev, proveniente da região da Inguchétia, fronteira com a Tchetchênia, e que ele nitidamente estava sob o efeito de drogas.

Em outro vídeo, postado na sexta-feira passada, Umarov procura unir os diversos grupos situados no Cáucaso e faz uma ameaça a Moscou: "É o desejo de Deus que nós façamos este ano para vocês um ano de sangue e lágrimas".

Logo após o atentado, Umarov já era tido como suspeito pelos agentes secretos russos. Em 2010, tornou-se conhecido por outro vídeo, em que assumia o massacre ocorrido no metrô de Moscou e que provocara a morte de 40 pessoas.

Umarov, o "Emir do Cáucaso", como se autoproclama, diz que os ataques continuarão enquanto "os crimes cometidos pelas gangues comandadas por Putin continuarem".

O primeiro-ministro Vladimir Putin ameaçou perseguir e mandar matar o terrorista. O Kremlin diz que não negociará com terroristas e que não abandonará a região do Cáucaso.

PP/afp/dpa
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais