1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Líder direitista tenta manobra política para afastar críticos

Haider anuncia afastamento da política nacional. Riess-Passer, vice-chanceler federal e braço direito do populista, interrompe viagem aos EUA. Analistas políticos austríacos acreditam que recuo seja apenas temporário.

default

Oficialmente, Haider não integra o governo federal, mas é tido como seu homem-forte

O principal líder do Partido da Liberdade da Áustria (FPÖ), Jörg Haider, anunciou na noite desta sexta-feira estar se afastando da política nacional, após atritos com Peter Westenthaler, líder da bancada de seu partido no parlamento austríaco. A notícia pegou todos de surpresa.

Westenthaler teria reclamado que a interferência de Haider na política nacional prejudica o trabalho dos ministros de seu partido e do governo federal, do qual o FPÖ participa, minoritariamente, em coalizão com o Partido Popular (ÖVP).

"Não pode haver a impressão de que os ministros e o governo são controlados a partir da Caríntia. Se é problemático que outros sejam muito influenciados por mim, já não estou mais aqui", justificou Haider, governador do estado austríaco na fronteira com a Itália. O líder direitista acrescentou que os ministros muito identificados com ele e que por isso também "causem desgaste ao governo devem ser substituídos".

Ao saber da notícia, a vice-chanceler austríaca e presidente do FPÖ, Susanne Riess-Passer, decidiu apressar seu retorno a Viena, onde chegou na manhã deste sábado, antecipando em três dias o fim de sua visita aos Estados Unidos.

Blefe do homem forte – Os analistas políticos austríacos acreditam, porém, que o recuo do líder populista não passe de uma manobra para se fortalecer. Presidente do FPÖ por mais de uma década, Haider liderou a oposição contra o governo social-democrata e popular e é o responsável pela rápida ascensão do partido, que passou dos 5% para os 27% dos votos na última eleição nacional, tornando, pela primeira vez em sua história, a segunda maior força política do país alpino.

Mesmo fora do gabinete, o populista é visto como o político mais influente no governo federal, devido a seu papel dominante no Comitê de Coalizão, no qual, na prática, são decididos os passos do governo conservador.

Retorno insinuado – Em uma de suas frases desta sexta-feira, o governador da Caríntia deu o sinal de que a retirada não deverá durar muito. "O partido deve saber como tratar quem criou as condições para que o FPÖ esteja no governo federal há dois anos", disse o direitista. Haider também ameaçou não se candidatar à reeleição para o governo estadual, nem fazer mais campanha para seu partido nos próximos pleitos.

Tido como político nato, o jurista de 52 anos, que se tornou milionário graças a uma herança, sabe que o FPÖ lhe deve o que é hoje. Haider estaria apostando na volta por cima com o apoio maciço da base partidária e assim isolar os correligionários que o vêm criticando, considerando-o um incômodo.

O último motivo de atrito foi a viagem de Haider esta semana ao Iraque, no mesmo momento em que a vice-chanceler visitava os Estados Unidos, e Washington ameaçava nova guerra contra o ditador iraquiano Saddam Hussein.

Leia mais

Links externos