1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Líder da Al Qaeda jura lealdade ao novo mulá do Talibã

Em gravação, Ayman al-Zawahiri apoia Akhtar Mansour, que assumiu comando do Talibã após a morte do mulá Omar e vê sua liderança ser contestada. Já a Al Qaeda enfrenta a crescente concorrência do "Estado Islâmico".

default

Ayman al-Zawahiri, líder da Al Qaeda

O líder da Al Qaeda, Ayman al-Zawahiri, jurou lealdade ao novo líder do Talibã, o mulá Akhtar Mansour, numa gravação que circulou na internet nesta quinta-feira (13/08).

O áudio, com dez minutos de duração e acompanhado de imagens de Osama bin Laden e do próprio Zawahiri, é semelhante a outros já divulgados por ele. "Como emir da Al Qaeda, juro-lhes nossa lealdade, seguindo o caminho de Bin Laden e de seus irmãos mártires em sua lealdade ao mulá Omar", disse Zawahiri.

Mansour assumiu a liderança do Talibã após o Afeganistão ter anunciado, no mês passado, a morte do mulá Mohammad Omar, que teria ocorrido há mais de dois anos. O Talibã, então,

confirmou a morte e apontou o sucessor

.

No entanto, membros da família de Omar rejeitaram a decisão, o que parece ter ampliado um racha dentro do Talibã. De um lado estão os que defendem as negociações de paz com o governo, intermediadas pelo Paquistão; do outro, os que querem dar continuidade à insurgência, que já dura 14 anos.

Já a Al Qaeda se vê ameaçada pelo grupo extremista "Estado Islâmico" (EI), que, após conquistar grande parte da Síria e do Iraque, está fazendo incursões no Afeganistão. Ambos os grupos competem pela lealdade de jihadistas e organizações jihadistas mundo afora.

Na gravação, o líder da Al Qaeda afirma que o "emirado islâmico" estabelecido pelo Talibã no Afeganistão foi o "primeiro emirado legítimo após a queda do Império Otomano, e não há outro emirado legítimo no mundo além desse". Zawahiri prometeu continuar com a "jihad até que cada parte do território muçulmano ocupado esteja livre".

O Talibã governou o Afeganistão entre 1996 e 2001, quando impôs uma interpretação estrita da lei islâmica. O grupo foi derrubado do poder na invasão liderada pelos EUA, logo após os atentados de 11 de setembro de 2001, executados pela Al Qaeda.

LPF/ap/afp/dpa

Leia mais