1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

"Líbia pode virar novo epicentro do terror", diz especialista

Ex-assessor de segurança do governo alemão defende intervenção militar terrestre para combater extremistas, mas admite que Ocidente não sabe como lidar com crescimento do terrorismo em território líbio.

A execução de 21 cristãos egípcios pelo "Estado Islâmico", divulgada no último domingo (15/02), chamou a atenção para a Líbia, que desde a Primavera Árabe é marcada pela instabilidade e é considerada hoje terreno fértil para a atuação de extremistas.

Para Guido Steinberg, especialista em terrorismo do Instituto Alemão de Relações Internacionais e Segurança (SWP), a Líbia pode vir a se tornar o novo epicentro do radicalismo jihadista no norte da África.

Ele defende uma intervenção militar terrestre para combater o EI. Mas admite que nem os políticos europeus nem os americanos têm a menor ideia de como lidar com a situação na Líbia.

"A luta contra essa organização será longa. E o EI continuará a se expandir no mundo árabe", prevê o especialista, que trabalhou como conselheiro do governo alemão para assuntos de terrorismo entre 2002 e 2005.

Deutschlandfunk: O chamado "Estado Islâmico" opera agora também na Líbia. Como o grupo terrorista chegou até lá?

Guido Steinberg: Até agora, eu tinha a impressão de que havia grupos radicais menores no país que, devido ao grande êxito do EI no Iraque e na Síria, se declararam membros do movimento terrorista. Atualmente, três grupos na Líbia aderiram ao EI. E se trata de mais do que declarações de intenção. Parece que têm contatos, que estão recebendo apoio.

Isso não vale apenas para a Líbia, também há um braço do EI no Egito, e outro menor no Iêmen, na Argélia e no Afeganistão. Existe o temor de que a organização terrorista construa uma rede internacional como a Al Qaeda em 2001.

Parece que os jihadistas lutam por diferentes organizações terroristas. Qual a lógica por trás disso?

Em primeiro lugar, o êxito é um critério importante. Depois de 2001, observamos a expansão de ramificações da Al Qaeda. Aparentemente, quando grupos extremistas usavam o rótulo de Al Qaeda, eles recebiam recrutas não só da região do Golfo, mas também do resto do mundo, obtendo também apoio financeiro.

O EI também parece funcionar da mesma forma. No entanto, sabe-se que a ramificação egípcia do EI enviou combatentes para o Iraque e a Síria, em troca de apoio financeiro. E desde que esta unidade egípcia, que opera no Sinai sob o nome de Província do Sinai, passou a pertencer ao EI, ela se tornou muito mais eficaz.

No caso da Líbia, ao analisarmos o vídeo onde se mostra a decapitação de 21 reféns coptas, pode-se ver que, em nível técnico, ele tem a mesma qualidade que os demais vídeos do EI. Isso significa que as organizações estão realmente trabalhando em conjunto.

Pelo que parece, a Líbia se converteu num Estado falido, semelhante às zonas no Iraque e na Síria controladas pelo EI. Deve-se ampliar a luta contra o grupo terrorista na Líbia?

Sim, isso seria o melhor. Pois a Líbia pode vir a se tornar o novo epicentro do terrorismo jihadista no norte da África. A grande pergunta é como intervir na Líbia, onde, como é o caso na Síria, o Ocidente não é considerado um verdadeiro aliado. Há grupos islâmicos, milícias e um ex-militar, Khalifa Haftar, que quer edificar uma nova ditadura secular com o apoio do Egito, dos Emirados Árabes e da Arábia Saudita.

Nem os políticos europeus nem os americanos têm a menor ideia de como intervir no país. Em minha opinião, em primeiro lugar, os europeus deveriam estabilizar os países vizinhos, sobretudo a Tunísia. Os tunisianos estão muito preocupados com o que está acontecendo na Líbia e pedem armas à Europa. Temo que, na Líbia, a guerra civil vá se intensificar e que isso seja algo que os europeus não possam evitar.

O que alcançou, até agora, a coalizão internacional contra o chamado "Estado Islâmico"?

Ao menos ela diminuiu o avanço do EI, obrigando-o a retroceder um pouco. Este é um êxito que se pode atribuir aos ataques aéreos dos EUA e seus aliados, mas também ao apoio que as tropas curdas iraquianas têm recebido dos alemães. O grande problema no Iraque e na Síria é que os ataques aéreos estão perdendo a efetividade, já que todos os grandes alvos foram destruídos.

O próximo passo deve ser a criação de alianças com grupos locais. Na Síria, isso não será fácil, mas no Iraque pode ser que isso venha a funcionar. No entanto, o governo iraquiano, de maioria xiita, deve convencer os sunitas no país de que é a melhor alternativa ao EI. Enquanto isso não acontecer no Iraque ou na Líbia, a organização terrorista continuará ganhando força na região.

Tropas terrestres são necessárias para combater o EI?

Claro que sim. Tropas terrestres são necessárias, porque os ataques aéreos já não são mais eficazes. No Iraque e na Síria, são necessários árabes sunitas para combater efetivamente o EI. Com nossos aliados atuais, ou seja, os curdos e as milícias xiitas, não é possível combater com sucesso o EI nos territórios sunitas. Portanto, a luta contra essa organização será longa. E o EI continuará a se expandir no mundo árabe.

* Entrevista concedida a Peter Kapern, da rádio pública alemã Deutschlandfunk

Leia mais