1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Kosovo: primeira missão de guerra da Alemanha há 5 anos

Em 24 de março de 1999, começaram os ataques da Otan contra a Iugoslávia, para impedir mais violência no Kosovo. Foi a primeira participação da Alemanha em uma intervenção militar, após a Segunda Guerra.

default

Bombardeio de Belgrado pela Otan

Cinco anos após a intervenção da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) no Kosovo, a situação está longe de uma convivência pacífica entre a minoria sérvia e a maioria albanesa da população, como demonstram os últimos distúrbios com mortos e igrejas destruídas em Mitrovica. O status da província sérvia também não está definido até hoje.

Para a Alemanha, participar na intervenção militar da Otan no Kosovo, que teve início em 24 de março de 1999, representou algo novo, pois foi a primeira atuação militar no marco da Otan de um país que, motivado por seu passado, se afastara expressamente de uma participação ativa em guerras.

Mas o Kosovo não representou a primeira missão das Forças Armadas (Bundeswehr) alemãs no exterior, pois desde o início da década de 90 elas sempre apoiaram missões das Nações Unidas prestando, principalmente, ajuda humanitária. A questão da participação em operações militares no exterior - em países que não fossem membros da Otan - provocou uma grande polêmica na Alemanha e até uma queixa perante o Tribunal Federal Constitucional.

A guerra e a constituição

Ela foi apresentada em 1994 pela bancada do Partido Social Democrata (SPD) - na época na oposição - e uma parte da bancada do Partido Liberal, que integrava a coalizão liderada pelo chanceler federal Helmut Kohl. O governo decidira a favor da participação em missões no exterior, sem consultar o Parlamento.

O SPD e os liberais queriam esclarecer se o Parlamento tem direito a ser ouvido nesses casos e, por outro lado, saber se missões militares no exterior feriam ou não a constituição. Até então, vira-se a tarefa do Exército exclusivamente voltada para a defesa nacional.

Kosovo-Albaner auf der Flucht 1999

Milhares de albaneses em fuga dos sérvios e das bombas da Otan no Kosovo

O tribunal considerou constitucional qualquer missão militar com mandato da ONU ou da Otan e atribuiu ao Parlamento a última palavra no assunto. Essa sentença criou a base para que a Bundeswehr se alinhasse com a Otan no Kosovo, onde os sérvios realizavam uma "limpeza étnica" entre os albaneses sob as ordens do presidente Radovan Milosevic.

Uso das armas como último recurso

Antes disso, a Bundeswehr executou outras tarefas nos Bálcãs, entre estas integrou as tropas de paz Ifor na Bósnia, em 1995 e 1996, fazendo importantes experiências na contenção de conflitos, como afirma o vice-almirante Hans Frank, presidente da Academia Nacional de Política de Segurança:

"Nessa época, estivemos envolvidos na chamada estabilização após a operação militar. Mas nunca participamos da própria. O Kosovo nos demonstrou mais uma possibilidade no espectro geral das medidas para se debelar crises. Nos demonstrou que, às vezes, é preciso recorrer a armas para pôr fim a um conflito que vem se estendendo, e assim poder retornar à estabilidade." O conflito, no caso, implicou a expulsão e massacre dos albaneses pelos sérvios, levantando a discussão sobre a legitimidade do uso da violência.

KFOR Soldaten in Kosovo

Soldados alemães das tropas Kfor montam guarda diante da sede da missão da ONU em Prizren, no sul do Kosovo, em março de 2004

O uso das armas em 1999 foi o pomo da discórdia na Alemanha. Até então, os soldados alemães em missões no exterior usavam as armas, no máximo, em defesa própria em caso de perigo. Mas então a Otan decidiu bombardear a Iugoslávia, para pressionar Milosevic a acabar com as violações dos direitos humanos no Kosovo. O Parlamento alemão aprovou a participação.

Mudança na política exterior

A Alemanha não estava travando uma guerra, mas fora convocada a ajudar a impor uma solução pacífica para o Kosovo também através de meios militares, expôs o chefe de governo alemão, Gerhard Schröder, formulando um novo e importante princípio da política exterior alemã: o emprego da violência e de soldados alemães pode ser o último recurso, a fim de debelar uma crise.

Ao mesmo tempo, o governo alemão elevava a Alemanha unificada à condição de um parceiro em pé de igualdade com os demais e com o qual se podia contar. A Força Aérea alemã realizou 500 vôos com seus 14 aviões de reconhecimento Tornado, alguns deles para destruir baterias antiaéreas iugoslavas.

"Para a Bundeswehr foi um passo novo e decisivo, que se alinha na longa seqüência de experiências anteriores. Mais importante ainda foi o passo político que demos dentro da República Federal da Alemanha! Pois nenhum outro governo, até então, tivera que tomar a decisão de ir, de fato, a uma guerra."

Uma vez iniciados os ataques aéreos da Otan, todos os partidos alemães, exceto o Partido do Socialismo Democrático, aprovaram a participação militar alemã. Sete dos 47 deputados do Partido Verde exigiram a suspensão imediata da missão, mas o ministro do Exterior, Joschka Fischer, e a cúpula verde mantiveram a posição tomada em conjunto com o parceiro de coalizão.

Para as Forças Armadas alemãs, a missão de guerra desembocou em uma missão de estabilização. Após a capitulação de Milosevic, a aliança militar ocidental suspendeu seus ataques em 10 de junho de 1999. As Nações Unidas e a tropa de paz Kfor assumiram o controle. Pouco depois, um general alemão, Klaus Reinhardt, assumiu pela primeira vez o comando de uma missão militar fora do território da Otan. Até hoje o Exército alemão tem enviado um grande contingente de soldados para garantir o êxito da missão estabilizadora da Kfor.

Leia mais