1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Kosovo ganha soberania plena, mas ainda depende de apoio externo

Mais de quatro anos após a declaração de independência, Kosovo ganha a soberania plena, com a suspensão da tutela internacional sobre o país. Mas pobreza e alta criminalidade comprometem liberdade do país.

O chamado Grupo Internacional de Supervisão do Kosovo (GIS), ao qual pertence a maioria dos países da União Europeia, assim como os EUA e Turquia, decidiu já em julho pela suspensão da tutela sobre o país, medida que entra em vigor nesta segunda-feira (10/09), dando a soberania plena ao Kosovo.

O conceito de "independência tutelada" foi criado pelo antigo mediador para o Kosovo, Martti Ahtisaari. O GIS tinha o direito de bloquear leis ou mesmo afastar ministros. O Parlamento em Pristina aprovou na sexta-feira todas as alterações constitucionais necessárias para permitir a total independência do Kosovo, e a maior parte das minorias no Parlamento votou a favor. O governo classificou a data como um "dia histórico" e "o início de uma nova era".

O Kosovo é agora uma "democracia moderna e multiétnica", e as instituições do Kosovo estão prontas "para assumir total responsabilidade", afirmou o GIS, ao justificar sua decisão. Em entrevista à Deutsche Welle, o especialista em Bálcãs Norbert Mappes-Niediek se diz convicto de que o Kosovo está pronto para prosseguir sem tutela internacional.

Governo não controla o norte

"Um país só é independente caso se comporte independentemente. Foi o que o Kosovo fez. Os kosovares se libertaram. Fizeram por muito tempo uma resistência passiva contra a Sérvia. Eles lutaram numa guerra e, assim, se tornaram uma nação. Não cabe a ninguém atestar se eles estão prontos ou não", sublinha Mappes-Niediek.

Martti Ahtisaari

Mediador Martti Ahtisaar criou plano de independência tutelada

Com o consentimento da maioria dos países ocidentais, incluindo Alemanha, EUA, Reino Unido e França, o Kosovo declarou sua independência em 17 de fevereiro de 2008. Antes disso, todos os esforços do mediador da ONU Martti Ahtisaari foram em vão, e não foi encontrado um acordo entre Belgrado e Pristina.

Ahtisaari propôs em 2007 um plano prevendo uma independência tutelada pelo Gabinete Civil Internacional para o Kosovo (ICO, na sigla em inglês). Seu plano foi implementado sem o consentimento de Belgrado e sem o reconhecimento pelo norte do Kosovo, cuja população é de maioria sérvia.

Agora, a tutela internacional foi suspensa oficialmente, embora o governo em Pristina ainda não tenha controle real algum sobre o norte do país. Mas o controle da integridade territorial é apenas um dos grandes problemas que as instituições do país ainda terão que enfrentar.

Dependência econômica, pobreza e crime

"Economicamente, o Kosovo não pode se sustentar, de forma alguma", ressalta Mappes-Niediek. "É o país mais pobre da região", acrescenta. Outro problema é a grande emigração de jovens com boa formação educacional. "O Kosovo só pode sobreviver com uma maciça ajuda econômica", observa o especialista em Bálcãs. "Isso limita a soberania, e essa doação formal de plena soberania não tem grande importância, já que é restrita fortemente pela dependência econômica e política."

Com uma renda per capita anual de apenas 2 mil euros por habitante, o Kosovo continua a ser o país mais pobre da Europa. A taxa oficial de desemprego é de 43%, e cerca de 40% da população vive na pobreza. Entre os maiores desafios estão a luta contra a corrupção e o crime organizado.

No entanto, o professor universitário kosovar Arsim Bayrami está convencido de que o Kosovo tem condições de vencer esses desafios. "O crime organizado e a corrupção são coisas que acontecem dentro do Kosovo, e as pessoas do país sabem muito bem como funcionam. Por isso, tenho certeza de que eles podem ser combatidos com sucesso apenas por instituições do Kosovo. A comunidade internacional falhou na luta contra a corrupção e o crime organizado. Agora, cabe às nossas instituições fazê-lo", diz Bayrami.

Serben demonstrieren gegen unabhängiges Kosovo

Manifestação contra independência do Kosovo: sérvios continuam a discordar

"O Kosovo precisa de apoio"

Segundo Bayrami, agora está claro que as instituições não podem encontrar mais um outro "culpado" para a corrupção e o crime organizado. No entanto, está também claro que o governo e a polícia do Kosovo não podem, sozinhas, lutar contra a corrupção e o crime organizado no norte do país. Para isso, é necessário o apoio das tropas internacionais de paz do Kosovo (KFOR) e da missão europeia Eulex. "Não há atualmente uma soberania absoluta. O Kosovo precisa do apoio da KFOR e da Otan para garantir a segurança e a integridade do país."

Para o ex-ministro sérvio para o Kosovo Goran Bogdanovic, há outros desafios, especialmente no que diz respeito à minoria sérvia. "Há problemas com a liberdade de circulação, com propriedades sérvias no Kosovo e com a falta de boa vontade das elites políticas em Pristina e Belgrado, para possibilitar a reconciliação e o retorno dos refugiados", lembra Bogdanovic, complementando que estes problemas "não podem ser resolvidos sem a ajuda da comunidade internacional". "Pois a situação no Kosovo pode ficar ainda pior", alerta o político.

Ninguém quer novos refugiados

Atualmente, não existe um apoio internacional amplo para o Kosovo. Apenas 91 de um total de 193 países da ONU reconheceram até agora o país mais jovem da Europa, e até mesmo cinco Estados-membros da UE (Espanha, Chipre, Grécia, Romênia e Eslováquia) ainda se recusam a reconhecer a independência do Kosovo. Uma das razões é que quase todos esses países temem um precedente que possa agravar seus próprios problemas com minorias.

Bundeswehr Kosovo Force-Truppen KFOR 2012

Soldados alemães no Kosovo: forças internacionais são necessárias

Um maior estorvo, contudo, ainda é a atitude do governo em Belgrado, que afirmou repetidas vezes que jamais vai reconhecer a independência de sua antiga província. As tensões entre Belgrado e Pristina ainda são muito fortes. No entanto, Mappes-Niediek não acredita que a situação venha a se deteriorar significativamente. "Não acredito em piora ainda neste fim de ano, porque Berlim ainda está pressionando muito fortemente por uma retomada das negociações", acredita.

A sua avaliação é que uma ofensiva militar das tropas da KFOR contra os sérvios no norte do Kosovo não seria conveniente. "Uma ofensiva do tipo seria devastadora, porque causaria a fuga de 40 a 50 mil pessoas. Não queremos em 2012 e 2013 uma nova onda de refugiados", diz.

Belgrado e Pristina concordaram em participar de novas negociações políticas. Entretanto, as posições iniciais ainda são muito diferentes. Enquanto a Sérvia só quer negociar sobre o status do Kosovo, Pristina quer conversar somente sobre a normalização das relações entre dois Estados independentes. Um acordo ainda é uma incógnita.

Autor: Bahri Cani (md)
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais