1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Košice se prepara para ser Capital Europeia da Cultura em 2013

Cidade eslovaca de longa tradição multicultural e rico passado foi esquecida nas últimas décadas. Košice quer aproveitar benefícios financeiros da nomeação para polir sua imagem e revitalizar vida cultural.

Os hóspedes do hotel Golden Royal têm que usar a porta de trás. A rua e a calçada diante da entrada do prédio desapareceram, a área se transformou em um grande canteiro de obras, cheia de veículos pesados de construção, cabos, tubos e montes de cascalho.

Košice, a "pequena cidade grande" no leste da Eslováquia, está passando por uma recauchutagem. O fato de ser Capital Europeia da Cultura em 2013 lhe proporciona gordas verbas: só da União Europeia vão chegar 60 milhões de euros.

Novas ruas, praças e parques serão construídos; está planejada uma série de projetos, desde pequenos e descentralizados até gigantescos e ambiciosos – como a transformação de um quartel desativado em centro cultural e de um ginásio de esportes aquáticos em centro de arte multifuncional.

Quase ninguém acredita que as obras ficarão prontas a tempo. "Não tem o menor problema", minimiza Jan Sudzina, diretor da sociedade responsável pela preparação dos projetos. Afinal, em 2013 não vai ser realizado um festival, mas iniciada a transformação, a longo prazo, da pós-socialista Košice numa cidade moderna. Em outras palavras: ela aproveitará a ocasião e suas vantagens – como o aumento do fluxo financeiro e da atenção internacional – para se reinventar.

Fotoreportage Kosice Kulturhauptstadt Europas 2013

Centro antigo de Košice impressiona por beleza das construções históricas

Grandes planos

Se tudo correr como planejado, a cidade deverá florescer no futuro próximo, tornando-se uma plataforma de colaboração criativa entre empresas e artistas do leste da Eslováquia. O lugar se tornará um centro de produção artística difícil de ser ignorado. Hoje, ele ainda está longe disso: mesmo o acesso é complicado.

De trem, ônibus ou carro, o tempo de viagem é longo: cerca de 500 quilômetros separam Košice de Varsóvia e mais de mil quilômetros, de Berlim. De Bruxelas, são 1.550 quilômetros. Só há voos diretos para Viena, Bratislava e Praga. "Nosso principal aeroporto é em Budapeste, na Hungria, que fica a três horas de trem", lamenta Iveta Ninayova, do Visit Košice, o departamento de turismo local.

Košice já foi uma cidade próspera e rica, como fica patente na imponente catedral gótica de Santa Elisabete, no teatro histórico do final do século 19, e em todas as magníficas construções do centro antigo, que sobreviveram ilesas a duas guerras mundiais. Sua ascensão foi possibilitada pela localização numa rota de comércio e devido a colonos alemães, que influenciaram decisivamente "Kaschau", como chamavam a cidade.

Durante séculos, Košice foi uma das maiores e mais importantes cidades do reino húngaro. A vida intelectual florescia, e o caminho até a modernidade foi trilhado sem problemas. No século 19, surgiram diversas novas fábricas e manufaturas. Os empresários locais faziam boa fortuna, a qual gostavam de ostentar em prédios representativos no estilo da Gründerzeit.

Fotoreportage Kosice Kulturhauptstadt Europas 2013

Obras vão tornar antigo centro aquático em moderno polo artístico e cultural

Decadência

Em dezembro de 1918, com o fim da monarquia dos Habsburgos na Áustria-Hungria, Kaschau passou para a Tchecoslováquia. Entre 1938 a 1945, voltou a pertencer à Hungria, e em 1945 retornou para a Tchecoslováquia. Em fevereiro de 1948, o Partido Comunista assumiu o governo do país. A industrialização passou a ser fortemente incentivada em Košice. Com o estabelecimento da empresa Siderúrgica da Eslováquia Oriental, a importância econômica da cidade cresceu de novo, e novos conjuntos habitacionais de perfil socialista foram construídos.

Então, caiu a Cortina de Ferro. Em janeiro de 1993, a Tchecoslováquia foi dividida nos estados independentes República Tcheca e Eslováquia. Desde então, a capital da Eslováquia é Bratislava, localizada perto da fronteira austríaca, uma cidade que cresce e praticamente não tem desemprego. E a bela, multicultural e histórica Košice foi deixada de lado.

A siderúrgica foi vendida, empregos cortados. A cidade, com cerca de 240 mil habitantes, tem hoje uma taxa de desemprego de quase 30% e sofre com o êxodo da população jovem e criativa. Além dos eslovacos, ela é lar de tchecos, húngaros, ucranianos, ciganos e alemães.

Fotoreportage Kosice Kulturhauptstadt Europas 2013

Cidade de 240 mil habitantes tem taxa de desemprego de quase 30%

Sob o signo da esperança

E agora vem a grande oportunidade para a cidade mudar sua imagem, de centro industrial para centro criativo. Áreas públicas serão revitalizadas, e a população será mais integrada. O Ano Cultural 2013 adentrará os bairros e se espalhará pelos arredores da cidade. Ele penetrará a história de Košice, revelando tesouros reprimidos ou proibidos, como o escritor Sándor Márai, reverenciado em muitos países, mas desconhecido em sua própria cidade natal.

E, claro, espera-se receber muitos turistas, que poderão provar a típica cozinha eslovaca, rusticamente saborosa. O centro antigo, com seus vários cafés, convida a um passeio. Há grande variedade de acomodações, de albergues para estudantes a confortáveis hotéis internacionais.

A agente turística Iveta Ninayova anuncia que, a partir de 2013, haverá ônibus de excursão partindo de Cracóvia e Budapeste. E talvez até lá já existam voos diretos do Reino Unido e da Alemanha. Por via das dúvidas, os visitantes devem levar calçados resistentes: ninguém sabe ao certo quando as muitas obras vão estar prontas, e os buracos nas calçadas podem ser numerosos.

Autora: Silke Bartlick (md)
Revisão: Augusto Valente