1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

KLM proíbe bagagem despachada em voos do Cairo

"Por precaução", companhia aérea permite que passageiros com destino a Amsterdã levem apenas malas de mão. Egito nega ter impedido companhias britânicas de repatriar cidadãos do Reino Unido.

default

Aeroporto de Sharm el-Sheikh

A companhia aérea holandesa KLM proibiu nesta sexta-feira (06/11) passageiros partindo do Cairo, no Egito, de despachar malas, após o Reino Unido e os Estados Unidos terem afirmado que uma bomba pode ter provocado a queda de um avião na Península do Sinai no último fim de semana.

No voo 554, com destino a Amsterdã, foi permitido aos passageiros levar apenas bagagem de mão, afirmou a companhia aérea em comunicado. "Com base em informações nacionais e internacionais e por precaução, a KLM não permitirá bagagens despachadas", diz a nota.

Segundo funcionários de segurança do aeroporto, o voo desta manhã com destino a Amsterdã decolou com apenas 115 dos 247 passageiros previstos. Os demais se recusaram a deixar o Egito sem despachar as malas.

A KLM disse estar "monitorando a situação de perto" e que um voo da companhia de Amsterdã para o Cairo, nesta sexta-feira à noite, está confirmado. Não há restrições quanto a decolar e pousar do aeroporto do Cairo, destacou a empresa.

Apesar de a KLM ter dito apenas que sua decisão se baseia em "informações nacionais e internacionais" e foi tomada "por precaução", a medida sugere que a empresa não confia no serviço de despacho de bagagens do aeroporto.

A KLM não voa para a cidade de Sharm el-Sheikh, na Península do Sinai, de onde partiu o voo da empresa aérea russa Kogalymavia que caiu no último sábado, 23 minutos após decolar do balneário de Sharm el-Sheikh, matando todas as 224 pessoas a bordo.

Possível bomba

Após o Reino Unido se manifestar sobre a possibilidade de que uma bomba teria sido a causa da tragédia, nesta quinta-feira o presidente americano, Barack Obama, também disse que os EUA estão levando "muito a sério" a possibilidade de uma bomba ter derrubado o avião. No entanto, ele reiterou ser muito cedo para confirmar a hipótese.

O grupo jihadista egípcio Província do Sinai, aliado do "Estado Islâmico" (EI), reivindicou a responsabilidade pela queda do avião no Sinai, dizendo tê-lo derrubado em resposta à intervenção militar russa na Síria.

O Egito chamou a reivindicação por parte dos extremistas de "propaganda" e disse que investigadores ainda não tinham nenhuma evidência confirmando a hipótese de uma bomba, a qual Moscou chamou de "especulação". O governo egípcio, que teme prejuízos para o turismo do país, reiterou que não há problemas com o aeroporto de Sharm el-Sheikh, que recebe milhares de turistas por ano.

Easyjet impedida de voar

A companhia aérea britânica Easyjet comunicou que autoridades egípcias suspenderam oito dos seus dez voos previstos para repatriar turistas que se encontram no balneário egípcio de Sharm el-Sheikh nesta sexta-feira.

A Aviação Civil egípcia negou ter impedido a empresa britânica de voar, afirmando apenas que os voos foram limitados devido à capacidade do aeroporto.

A empresa aérea afirmou estar buscando uma solução junto ao governo britânico, que havia anunciado nesta quarta-feira a suspensão temporária de voos de e para Sharm el-Sheikh por questão de segurança.

O Ministério dos Transportes do Reino Unido disse estar trabalhando junto às autoridades egípcias para garantir que os turistas britânicos sejam transportados para casa.

Por volta do meio-dia, funcionários do aeroporto disseram que um voo da Easyjet com 165 britânicos a bordo decolou com destino a Londres.

Além da Easyjet, as companhias Monarch e Thomson pretendem ajudar no transporte de passageiros britânicos nesta sexta-feira.

A British Airways disse que um de seus aviões, que já se encontra em Sharm el-Sheikh, deve partir rumo a Londres ainda nesta seta-feira, como planejado.

LPF/afp/ap/dpa/rtr

Leia mais