Klinsmann deve treinar seleção alemã | Siga a cobertura dos principais eventos esportivos mundiais | DW | 22.07.2004
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Esporte

Klinsmann deve treinar seleção alemã

Um mês depois da renúncia de Rudi Völler, ex-atacante deve assumir o comando da equipe até a Copa de 2006. Holger Osiek a será treinador-assistente e Oliver Bierhoff é cotado como gerente da equipe.

default

Ex-atacante deve comandar seleção em que atuou 108 vezes

Após uma série de reuniões e contatos, a "comissão de procura de técnico" da Confederação Alemã de Futebol (DFB) divulgou, nesta quarta-feira (22/07), o nome do provável novo técnico da Seleção Alemã: o ex-centro-avante Jürgen Klinsmann (39) aceitou o convite para comandar a equipe até a Copa do Mundo de 2006 na Alemanha.

A apresentação oficial do novo treinador está prevista para o próximo final de semana. Segundo informações divulgadas pela imprensa alemã, Klinsmann, que atualmente vive nos Estados Unidos, deve assinar um contrato de dois anos com a DFB e terá dois assessores: Holger Osiek como técnico-assistente e o ex-atacante Oliver Bierhoff no papel de manager da seleção. Bierhoff, autor do gol de ouro que sagrou a Alemanha campeã da Eurocopa de 1996, foi sugerido para a gerência da equipe por Karl Heinz Rummenigge, vice-presidente do Bayern de Munique.

Ex-jogador do Stuttgart e Bayern de Munique, Klinsmann atuou 108 vezes pela Seleção Alemã e obteve a licença de treinador – obrigatória na Alemanha para ser técncio de uma equipe – em 2000. "É uma obviedade que eu ajude a DBF em qualquer que seja a função", disse logo após receber o convite do presidente da entidade, Gerhard Mayer-Vorfelder, e de seu secretário-geral, Horst Schmidt, em Nova York.

De olho na Copa

Klinsmann nunca negou seu interesse pelo cargo que já foi ocupado por Franz Beckenbauer e Rudi Völler. "Alegro-me que a DFB tenha aceitado minha oferta de ajudar a seleção nos preparativos para a Copa do Mundo de 2006. Esse campeonato é o principal evento esportivo das próximas décadas na Alemanha", declarou.

Holger Osiek, indicado para apoiar a dupla de ex-atacantes como treinador-assitente, já exerceu essa função de 1987 a 1990 ao lado de Franz Beckenbauer. Desde 1º de maio deste ano, Osiek é diretor do departamento de desenvolvimento técnico da Fifa.

A morosa e difícil busca de uma nova equipe técnica para a Seleção Alemã trouxe um resultado considerado "esperançoso" pela mídia do país. A renúncia de Völler, depois da eliminação da Alemanha na primeira fase da Eurocopa, gerou uma crise na Confederação Alemã de Futebol que balançou até a cadeira do presidente Mayer-Vorfelder. Em consequencia, a DFB criou uma comissão de procura de técnico.

Matthäus perde disputa de lobistas

Matthäus

Matthäus era o favorito de Beckenbauer para treinar a Seleção Alemã

No começo desta semana, tornaram-se públicas as divergências internas da comissão a respeito dos nomes de Lothar Matthäus (treinador da Hungria) e Winfried Schäffer (técnico de Camarões), os dois últimos candidatos alemães que ainda restavam na lista da DFB, depois do "não" de Otmar Hitzfeld e Otto Rehhagel (que venceu a Eurocopa 2004 com a Grécia).

Beckenbauer queria Matthäus como técnico, mas foi derrotado pelos votos contrários de Mayer-Vorfelder e do presidente da Liga Alemã de Futebol (DFL), Werner Hackmann, enquanto Horst Schmidt se absteve na votação. Hackmann só aceitaria Matthäus, se Beckenbauer – presidente do Comitê Organizador da Copa de 2006 – assumisse o cargo de gerente da seleção

Dois candidatos estrangeiros – Guus Hiddink, do PSV Eindhoven, e Morten Olsen (técnico da Dinamarca) também haviam sido contatados pela DFB. Como eles ainda cumprem contratos, Beckenbauer não via chances de convencê-los a treinar a Alemanha, cuja seleção precisa ser completamente reestruturada, depois do fiasco em Portugal.

Tudo indicava que Matthäus – louco pelo cargo – e apoiado pelo poderoso lobby do Bayern de Munique – seria o escolhido. Mas Klinsmann, apesar de recentes críticas à DFB, ganhou a corrida, provavelmente, com a ajuda de um outro lobby poderoso: nos EUA, ele é representante da Adidas, patrocinadora oficial da Seleção Alemã.

Leia mais