Kadafi permite entrada de observadores da ONU em Trípoli | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 07.03.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Kadafi permite entrada de observadores da ONU em Trípoli

Kadafi permite entrada de equipes da ONU e da UE para avaliar situação na Líbia. Nações Unidas e ONGs pedem US$ 160 milhões para conter catástrofe humanitária. Batalhas entre governo e rebeldes fazem mais vítimas.

default

Batalhas entre tropas do governo e oposição continuam

A União Europeia e as Nações Unidas preparam o envio de equipes de observação para avaliar a situação na Líbia. O ditador Muammar Kadafi assegurou ao secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, que permitirá a ida de uma "equipe de avaliação humanitária" das Nações Unidas a Trípoli. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (07/03) por uma porta-voz da ONU, em Nova York. Entretanto, ainda não está certo se outras cidades, além da capital, poderão ser visitadas.

Nomeado enviado especial para a Líbia

Ban nomeou o ex-ministro do Exterior da Jordânia, Abdelilah Al Jatib, como enviado especial para a Líbia. Ele deve começar imediatamente as consultas com as autoridades em Trípoli quanto à situação humanitária no país. A equipe de avaliação será organizada pelo Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (UNOCHA).

A decisão foi tomada depois de uma conversa telefônica entre o secretário-geral da ONU e o ministro líbio do Exterior, Musa Kusa. Ban apelou para que Trípoli cumpra sua responsabilidade na proteção à população e respeite o direito do povo líbio de viver com dignidade e paz.

O secretário-geral teria advertido que qualquer um que violar as leis internacionais será levado à Justiça. Além disso, Ban pediu acesso imediato às vítimas dos bombardeios na cidade de Misrata.

Vereinte Nationen Ban Ki-moon Libyen

Secretário geral da ONU, Ban Ki-moon

O ministro alemão do Exterior, Guido Westerwelle, saudou a nomeação de um enviado especial da ONU para o país árabe. "A comunidade internacional deve também exercer mais pressão sobre o regime líbio", pediu Westerwelle. "O Conselho de Segurança da ONU deve voltar a discutir a situação na Líbia. Outras sanções específicas, como uma paralisação de todos os pagamentos ao regime de Kadafi, devem fazer parte urgentemente da agenda da UE e das Nações Unidas", reivindicou o ministro.

Equipe da UE já está a caminho

A chefe da diplomacia da União Europeia, Catherine Ashton, enviou no domingo uma equipe de especialistas à Líbia, que deverá coletar nos próximos dias informações "em primeira mão" sobre os recentes operações de socorro e fazer uma avaliação sobre quais outras atividades humanitárias são necessárias.

As avaliações sobre a situação local devem ser usadas no preparo da reunião de ministros do Exterior da UE próxima quinta-feira, assim como na cúpula da UE, no dia seguinte.

Apelo por ajuda de emergência

Flash-Galerie Libyen Flucht Ägypter

Refugiados são preocupação internacional

Nesta segunda-feira, a ONU e 17 organizações de ajuda humanitária fizeram um apelo pela doação de 160 milhões de dólares (114 milhões de euros) para ajuda humanitária às vítimas do conflito na Líbia. Parte-se do princípio que até 200 mil pessoas deixarão a Líbia – além das 200 mil que já o fizeram – e que outras 600 mil necessitam de ajuda humanitária no país, informa Valérie Amos, secretária-geral adjunta das Nações Unidas encarregada dos Assuntos Humanitários.

Por sua vez, as ONGs afirmam: "Os 160 milhões de dólares permitirão responder às necessidades atuais e futuras das pessoas que fugiram e das que serão afetadas na Líbia nos próximos três meses".

Apesar dos apelos do Ocidente, o dirigente líbio Muammar Kadafi continua sua ofensiva sangrenta contra os insurgentes, que continuam resistindo e mantêm o controle de grande parte do leste do país. Tanto rebeldes quanto governo relataram sucessos nesta segunda-feira, enquanto o número de mortos e feridos aumenta a cada hora.

A televisão estatal líbia noticiou no domingo que o governo haveria conseguido retomar as cidades de Ras Lanuf, Tobruk e Misrata. Os insurgentes, no entanto, negaram essa informação. Correspondentes estrangeiros em Ras Lanuf confirmaram que a cidade ainda se encontra nas mãos dos rebeldes.

Dezenas de mortos no oeste

O atual ponto central do conflito é Misrata, no oeste do país, a terceira maior cidade do país, depois de Trípoli e Benghazi. Salah Badi, comandante dos rebeldes em Misrata, disse que a situação na cidade estaria tranquila. Durante a noite, as tropas de Kadafi entraram na cidade com 42 veículos militares e sete tanques.

Os soldados do ditador teriam travado severas batalhas contra os insurgentes e depois se retirado da cidade. Dois tanques foram destruídos pelos opositores do regime. Mais de 40 pessoas morreram, de acordo com Badi.

MD/pda/lusa/rtr/ap/afp
Revisão: Augusto Valente

Leia mais