Kadafi diz que ″milhares de líbios″ serão mortos em caso de intervenção | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 02.03.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Kadafi diz que "milhares de líbios" serão mortos em caso de intervenção

Organizações de direitos humanos dizem que milhares de pessoas já morreram devido a tumultos na Líbia. EUA posicionam dois porta-aviões e centenas de soldados no Mediterrâneo. Kadafi diz que lutará até "último homem".

default

Kadafi fala na TV líbia

A Federação Internacional de Direitos Humanos (FIDH) anunciou em Paris, nesta quarta-feira (02/03), que o número de mortos devido aos tumultos na Líbia poderia chegar a 3 mil. Diplomatas estimam esse número entre 1,5 mil e 2 mil.

Devido à brutalidade usada contra os manifestantes, uma sessão plenária da Assembleia Geral da ONU decidiu na noite da terça-feira excluir a Líbia do Conselho dos Direitos Humanos, com sede em Genebra. Mais de dois terços dos 192 países-membros da ONU votaram pela exclusão da Líbia. Essa é a primeira vez que as Nações Unidas agem dessa forma diante de um país-membro.

Em votação bastante controversa, há apenas um ano a Líbia se tornara parte do grêmio formado por 47 membros. Sua exclusão foi apoiada pelos países da Liga Árabe e da União Africana. O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, apelou à comunidade internacional para que "cumpra sua obrigação", protegendo o povo líbio da violência dos militares.

Ativistas líbios de direitos humanos levantam ainda acusações contra o Chade, país que faz fronteira com o sul da Líbia. Segundo os ativistas, mercenários chadianos estariam exercendo um importante papel a serviço de Muammar Kadafi. "Dois generais do Chade comandam os mercenários", disse um porta-voz dos ativistas.

Brega e Ajdabiya

Enquanto isso, na manhã desta quarta-feira, oposicionistas conseguiram repelir um ataque das forças de Kadafi na estratégica cidade de Brega, no leste do país. Em uma grande contraofensiva, soldados do ditador atacaram a cidade com tanques e artilharia pesada, numa tentativa de recuperar o controle sobre uma importante instalação petrolífera e uma pista de pouso na costa.

Libyen Geschütz gegen Flugzeuge in Bengasi

Artilharia antiaérea oposcionista em Benghazi

Jatos líbios também bombardearam a cidade de Ajdabiya, localizada a 40 quilômetros de Brega e controlada pelos rebeldes. No entanto, os ataques não surtiram efeito e a cidade continua nas mãos dos oposicionistas, cujo domínio da parte oriental da Líbia até Brega se mantém firme.

A maior parte da capital, Trípoli, continua sendo controlada por Kadafi e suas forças de segurança. Na cidade de Benghazi, oposicionistas submetidos a treinamento militar em acampamentos improvisados disseram que planejam marchar sobre a capital líbia.

Ameaças de Kadafi

Devido aos tumultos na Líbia, os EUA posicionaram dois porta-aviões e centenas de soldados no Mediterrâneo, perto da Líbia. De lá, caso seja necessário, será possível prestar ajuda humanitária e apoiar as evacuações, anunciou o secretário norte-americano da Defesa, Robert Gates, nesta terça-feira.

Apesar de todos os apelos internacionais, a forma como Muammar Kadafi age contra as revoltas populares se assemelha cada vez mais a uma guerra civil. O ditador líbio advertiu que, no caso de uma intervenção militar da Otan ou dos EUA, "milhares de líbios" serão mortos.

Kadafi anunciara, anteriormente, que ele pretende lutar até o "último homem e última mulher" para defender seu país. Os campos de petróleo e os portos líbios estariam "seguros" e "sobre controle", acresceu o ditador.

Resgate de refugiados

Tunesien Libyen fliehende Ägypter

Egípcios que trabalham na Líbia fogem do país

Nesta quarta-feira em Bruxelas, o presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, anunciou a União Europeia (UE) triplicou o montante de sua ajuda humanitária à Líbia. A Europa disponibiliza 10 milhões em vez de 3 milhões de euros, disse. "Pressupomos a existência de pelo menos 140 mil refugiados", sublinhou Barroso. No momento, a ajuda da UE é composta de medicamentos, alimentos e barracas, que estão sendo espalhadas pela fronteira da Líbia com o Egito e a Tunísia.

O Reino Unido, França e 57 Estados-membros da Organização da Conferência Islâmica também iniciaram ações próprias de resgate de refugiados.

Esses países reagem assim a um apelo do Comitê para Eliminação da Discriminação Racial da ONU de que, em meio aos tumultos, pessoas negras, mas também estrangeiros e outras minorias poderiam se envolver em uma crise humanitária de rápido desenvolvimento.

Principalmente africanos de países subsaarianos estariam ameaçados, já que é de lá que Kadafi recruta os mercenários de suas tropas. Os africanos de pele negra poderiam ser vítimas da ira popular contra os mercenários do ditador, explicou o comitê da ONU.

CA/dpa/epd/ap/rtr/afp
Revisão: Augusto Valente

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados