1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Justiça do Rio de Janeiro proíbe venda de "Minha Luta"

Juiz ordena apreensão de exemplares de manifesto escrito pelo ex-ditador nazista Adolf Hitler que já estavam à venda nas livrarias cariocas. Empresa que não cumprir decisão judicial sofrerá multa diária de 5 mil reais.

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro proibiu nesta quarta-feira (03/02), de forma cautelar, a publicação e a comercialização em todo o estado do manifesto "Minha Luta", escrito pelo ex-líder nazista Adolf Hitler.

O juiz da 33ª Vara Criminal do Rio de Janeiro, Alberto Salomão Júnior, ordenou a apreensão dos exemplares que já tenham sido impressos e estavam à venda nas livrarias cariocas, segundo um comunicado do tribunal.

A empresa que não cumprir a decisão judicial sofrerá uma multa diária de 5 mil reais. O juiz, no entanto, concedeu um período de cinco dias para que as bibliotecas apresentem suas alegações.

Em seu parecer, Salomão Júnior considerou que o livro escrito por Hitler em 1925 "incentiva práticas de intolerância contra grupos sociais, étnicos e religiosos". O magistrado argumentou que a venda de livros que veiculam ideias e ideais nazistas ferem gravemente a ordem pública, pois afronta a norma penal insculpida no artigo 20 § 2º, da Lei nº 77168/89.

Salomão Júnior também apontou que o Supremo Tribunal de Justiça (STJ) se pronunciou várias vezes sobre a questão e sempre se posicionou favorável à proteção dos direitos das pessoas ofendidas, em detrimento das obras que "incentivam o ódio e a violência".

Depois que os direitos de autoria do "Minha Luta" terem caducado no ano passado, duas editoras brasileiras decidiram imprimir o manifesto. Um dessas versões, publicado pela Centauro Editora, já estava à venda nas livrarias.

Quando o Ministério Público (MP) pediu à Justiça, na semana passada, que esta proíba a publicação da obra, a Geração Editorial, que preparou uma edição comentada do livre de Hitler, criticou a postura da promotoria.

A editora assegurou que o estudo crítico que acompanha a sua versão do manifesto de Hitler é "antinazista" e comenta as ideias "abomináveis" do ex-ditador alemão parágrafo por parágrafo. Vale destacar que as grandes livrarias não estavam comercializando a versão da Centauro, mas planejavam vender os exemplares da Geração.

PV/efe/ots

Leia mais

Links externos