Justiça decreta sigilo em inquérito sobre morte de Teori | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 23.01.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Justiça decreta sigilo em inquérito sobre morte de Teori

Aeronáutica, Ministério Público Federal e Polícia Federal investigam causas da queda do avião que matou ministro do Supremo Tribunal Federal. Caixa-preta foi danificada no acidente.

Avião caiu no litoral de Paraty

Avião caiu no litoral de Paraty

A Justiça Federal do Rio de Janeiro decretou nesta segunda-feira (23/01) sigilo sobre as investigações da queda do avião King Air C 90, que transportava o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki e outras quatro pessoas.

A decisão foi proferida pelo juiz da 1ª Vara Federal de Angra dos Reis, Raffaele Felice Pinto. O sigilo é comum em investigações de desastres aéreos no país. O avião caiu no mar na última quinta-feira, matando todos os ocupantes.

Em nota, a Aeronáutica, responsável pela apuração técnica, disse que a caixa-preta foi danificada no choque com o mar, mas que o aparelho possui duas partes e é altamente protegido. As gravações serão analisadas pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), em Brasília.

"É importante esclarecer que o cockpit voice recorder (CVR) possui duas partes. A primeira é o gravador em si, que armazena os dados. Essa parte é altamente protegida. A segunda é a chamada 'base', que contém cabos e circuitos que fazem a ligação com o armazenamento de dados. É essa segunda parte que está molhada e precisa ser recuperada", destacou a Aeronáutica.

Os investigadores disseram que a caixa-preta passará por um processo de secagem, seguido da verificação da integridade dos dados, para depois, ser realizada a degravação e a transcrição das conversas. O total tempo do procedimento dependerá das condições do aparelho.

O acidente está sendo investigado ainda pelo Ministério Público Federal (MPF) e pela Polícia Federal, que começarão a ouvir as testemunhas nesta terça-feira.

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) disse que a documentação e as revisões da aeronave estavam em dia e a próxima inspeção estava prevista para abril deste ano.

O avião em que estavam Teori e mais quatro pessoas caiu no litoral de Paraty na tarde de quinta-feira, durante uma tentativa de pouso no aeroporto da cidade. Além dele, estavam na aeronave o empresário Carlos Alberto Filgueiras, dono do grupo hoteleiro Emiliano, o piloto Osmar Rodrigues, a massoterapeuta de Carlos Alberto, Maíra Panas, além da mãe dela, Maria Panas.

O ministro do STF era o relator dos processos referentes aos inquéritos do caso que tramitavam no Supremo Tribunal Federal. Estas ações envolviam o presidente, ministros do governo Temer e parlamentares.

CN/efe/abr/ots

Leia mais