1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Juncker diz não estar satisfeito com reformas do governo grego

Presidente da Comissão Europeia vê poucos avanços nas negociações com a Grécia, mas descarta saída do país da zona do euro. Ministro alemão das Finanças diz não desconsiderar hipótese, que ganha apoio na Alemanha.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, afirmou nesta sexta-feira (13/03) "não estar satisfeito" com o progresso, até agora, das negociações com o governo grego sobre as reformas que devem ser implementadas no país em troca de uma extensão de quatro meses da ajuda financeira internacional.

Juncker, no entanto, descarta que haja um fracasso. Para ajudar "o amigo" Alexis Tispras, primeiro-ministro grego, o luxemburguês prometeu colocar "algumas propostas" sobre a mesa durante o encontro nesta sexta e descartou uma eventual saída da Grécia da zona do euro.

O tom do presidente da Comissão Europeia distingue-se do usado pelo ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schäuble. Numa entrevista à emissora austríaca ORF, Schäuble admitiu que considera a possibilidade de uma eventual saída de Atenas do grupo da moeda comum.

"Como a responsabilidade e o poder de decidir o que vai acontecer cabem apenas à Grécia, e como nós não sabemos exatamente o que os responsáveis pelo país estão fazendo, não podemos desconsiderar isso [a saída da zona do euro]", afirmou.

Há dois dias, Atenas e a chamada troica – composta pela Comissão Europeia, pelo Banco Central Europeu (BCE) e o Fundo Monetário Internacional (FMI) – retomaram as negociações sobre o pacote de ajuda. Os credores exigem que os gregos coloquem em curso algumas reformas econômicas em troca do repasse de 7,2 bilhões de euros ainda pendentes.

Para os negociadores europeus, as medidas apresentadas por Atenas até agora são insuficientes para conceder essa garantia.

No entanto, Tsipras – que assumiu o governo em fins de janeiro com a promessa de que suspenderia medidas de austeridade implementadas pela gestão anterior – vem insistindo que Atenas começou a preencher as condições acertadas no final de fevereiro para a extensão da ajuda.

"Estamos fazendo nossa parte", disse Tsipras nesta sexta-feira, após encontro com o presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz. "Esperamos que nossos parceiros também façam a deles".

De 2010 para cá, a Grécia recebeu dois pacotes de ajuda no valor total de 240 bilhões de euros, dinheiro necessário para cobrir as dívidas do país e evitar uma quebra dos bancos.

Apoio ao "grexit"

Uma pesquisa de opinião divulgada nesta sexta-feira na Alemanha mostra que mais da metade dos alemães acham que a Grécia deveria deixar a zona do euro. Segundo levantamento do Politbarometer, divulgado no canal de televisão ZDF, apenas 40% da população querem que os gregos continuem fazendo parte do grupo da moeda comum. Há duas semanas, o índice era de 52%.

A pesquisa mostrou ainda que 80% dos entrevistados acham que Atenas não está agindo de maneira confiável nas negociações com seus parceiros da zona do euro, e apenas 14% acreditam que o país vai mesmo implementar as medidas de austeridade e as reformas necessárias para conseguir estender o pacote de ajuda.

MSB/afp/dpa/ap

Leia mais