1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

"Julgamento de Saddam é ilegal"

O presidente da comisão de defesa do ex-ditador iraquiano, Muhammad Ar-Rashdan, concedeu entrevista exclusiva à Deutsche Welle. Ele protestou contra as circunstâncias do processo contra seu mandante.

default

As imagens do ditador humilhado correram mundo

"A entrega de Saddam Hussein ao governo interino iraquiano pelas autoridades norte-americanas é irregular, assim como a constituição de um tribunal é ilegal. Os princípios básicos de jurisdição foram ignorados". Com estas palavras, Muhammad Nagib Ar-Rashdan, presidente da comissão de defesa do ex-presidente iraquiano, Saddam Hussein, criticou o processo contra seu cliente, numa entrevista exclusiva à Deutsche Welle.

O julgamento tem início marcado para a primeira semana de julho, porém a comissão não pôde nem examinar um único documento nem falar pessoalmente com o ex-ditador: "Tudo isso contraria o direito internacional e os princípios básicos do direito. [...] O início do processo está sendo forçado, pois nos últimos tempos houve interrogatórios abrangentes, sem a presença de um advogado. Fomos informados que o material reunido perfaz 24 toneladas. Tudo isso é irregular. Na verdade, a defesa precisa ter acesso aos mesmos documentos que a promotoria."

Antes de requerer o contato com seu mandante e acesso às atas, Ar-Rashdan esperará para ver como será constituído o tribunal responsável: "Ele deve ser composto segundo as leis vigentes e o Acordo de Genebra. Até onde podemos prever no momento, este não será o caso."

Saddam em "boa" companhia

Saddam Hussein estava visivelmente nervoso durante sua transferência à Justiça do Iraque. Segundo as leis nacionais, a partir desse momento ele perde o status de prisioneiro de guerra, passando a "suspeito de crime". Segundo o chefe do governo de transição, Iyad Allawi, de início o ex-ditador permanecerá sob custódia norte-americana, já que o país ainda não dispõe de prisão adequada.

"O primeiro passo foi dado", declarou Salem Djalabi, presidente do tribunal extraordinário iraquiano. Ele encontrou-se com Saddam, explicando-lhe seus direitos e o futuro decorrer do processo. Este se inicia oficialmente na quinta-feira (01) e será transmitido diretamente pela TV.

O ex-ditador, nascido em 1937, governou o Iraque de 1979 a 2003. Desde a sua captura, em dezembro de 2003 em Tikrit, ele vinha sendo mantido numa prisão secreta, nos arredores de Bagdá.

Juntamente com ele foram apresentados à Justiça, nesta quarta-feira, 11 antigos membros do governo iraquiano. Entre estes, o ex-premier Tarik Asis e o ex-vice-presidente Taha Yassin Ramadan. E também Ali Hassan Al-Madjid, conhecido como "Chemical Ali". Entre outros crimes, ele é acusado de um devastador atentado contra curdos iraquianos em 1988, empregando gás tóxico.

Leia mais