Julgamento de estupradores põe sociedade indiana em xeque | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 03.01.2013
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Julgamento de estupradores põe sociedade indiana em xeque

Começa processo contra presumíveis estupradores e assassinos de estudante de 23 anos. Governo promete sentença em 100 dias, após protestos em massa. Caso revela falhas em direitos femininos e mecanismos penais da Índia.

Sob pesadas medidas de segurança, começou nesta quinta-feira (03/01) na capital indiana, Nova Déli, o processo contra os presumíveis autores do estupro de uma estudante na noite de 16 de dezembro de 2012, que resultou na subsequente morte da jovem. Além de violência sexual e homicídio, os cinco homens são também acusados de sequestro e latrocínio.

Crime hediondo

Os autos da acusação abarcam mil páginas. Para seu relato minucioso e detalhado, a promotoria se baseou principalmente no depoimento da vítima e do namorado que, pouco depois das 21 horas, a acompanhava até em casa, após uma ida ao cinema.

O documento descreve como o jovem casal foi atraído pelos agressores para um ônibus particular, que de súbito tomou um rumo diferente do combinado. Quando os homens bêbados começaram a molestar sexualmente a moça de 23 anos, o namorado tentou protegê-la e foi espancado com uma barra de ferro.

Um após o outro, os réus estupraram a estudante e a torturaram brutalmente com a barra enferrujada. Depois de quase uma hora de violência, roubaram os pertences do casal e os atiraram, seminus e sangrando, para fora do veículo em movimento. Há indícios de que eles também tenham tentado atropelar os dois.

Justiça em cem dias

A jovem morreu no último sábado, por falência múltipla dos órgãos, num hospital especial em Cingapura. Ela sofrera severas lesões cerebrais, e todo o seu intestino teve que ser retirado, em três operações consecutivas. Os médicos que a atenderam também se encontram entre as 30 testemunhas convocadas para o julgamento.

O crime abalou a Índia e desencadeou protestos violentos. Diante da ira popular, o governo prometeu que o inquérito estará concluído num prazo de cem dias. Especificamente para esse fim, foi instalado um tribunal onde se realizarão audiências até sete dias por semana. No entanto, comentam observadores, trata-se de uma meta ambiciosa num país como a Índia, onde os moinhos da Justiça costumam moer de forma penosamente lenta.

Por isso, o presidente da Corte Suprema do país, Altamas Kabir, alertou: "Temos que cuidar para não sermos arrastados pelas emoções. Não podemos ter um processo rápido em detrimento de um processo justo". Calcula-se que haja, atualmente, cerca de 40 mil casos de violência sexual pendentes nos tribunais indianos.

Indien Gerichtsprozess gegen Vergewaltiger

Tribunal criado para o caso deve apresentar sentença em cem dias

Os acusados

Seis homens foram detidos após o crime e identificados pelo namorado da vítima. Além disso, no corpo da estudante foram encontrados traços de esperma e tecido epitelial, utilizados para análises de DNA. Um dos suspeitos teria apenas 17 anos de idade, e responde a processo diante de um tribunal de menores, enquanto se aguarda o resultado de exame ósseo para comprovar sua idade real.

Segundo a polícia, o líder do grupo seria Ram S., de 35 anos, natural do estado do Rajastão. Viúvo, ele é descrito como alcoólatra e brigão pelos vizinhos de Ravi Dass Camp, uma favela em Déli Sul. Seu irmão Mukesh, de 26 anos, também estaria implicado.

Os demais indiciados são o vendedor de legumes Pavan G., de 19 anos, o instrutor de fitness Vinay S., de 20 anos, e o ajudante da empresa de transporte Akshay T., de 28 anos, originário de Bihar, um dos estados mais pobres da Índia. Segundo consta, após o ato criminoso, foi ele quem tentou limpar o veículo e os assentos, e queimar os pedaços de roupas da vítimas.

Discussão sobre a pena capital

O direito penal indiano prevê a prisão perpétua como pena máxima para estupro. Em caso de assassinato e em circunstâncias excepcionais devidamente justificadas, pode ser aplicada a pena de morte, mas tal só ocorre muito raramente.

A execução mais recente, em novembro de 2012, foi a do único autor sobrevivente do atentado de Mumbai, Mohammad Ajmal Kasab. Antes dele, Dhananjoy Chatterjee, que violentara e matara uma menina de 14 anos, foi condenado à forca em 2004.

Devido ao número constantemente crescente de estupros no país e do caráter hediondo do ato, muitos indianos exigem a pena capital para os presumíveis autores dos crimes de 16 de dezembro.

O advogado Prashant Bhushan, atuante desde 1983 na Corte Suprema de Nova Déli, vê as exigências com ceticismo. "Quando se examina o crime, segundo a lei ele pode ser considerado caso de exceção especialmente grave, e ser pronunciada a pena de morte." No entanto, em princípio ele é contra a pena capital, por crer que ela não faz sentido como método de intimidação.

"Através da pena de morte, aumenta a cultura da violência dentro de uma sociedade. Uma execução, matar uma pessoa, é uma forma de vingança e de violência do Estado."

Direitos femininos

Ativistas dos direitos humanos e a imprensa da Índia pleiteiam uma mudança radical. Para eles, a jovem morta, cuja identidade é mantida em sigilo, é uma heroína e uma figura simbólica na luta por mais direitos das mulheres.

Manmohan Singh

Premiê Manmohan Singh instaurou duas comissões de inquérito

O primeiro-ministro Manmohan Singh nomeou duas comissões de inquérito. Uma examina as falhas nas investigações do caso de estupro e morte, enquanto a outra elabora sugestões pelo fim da discriminação contra as mulheres na Índia.

Bhushan teme que em breve as promessas do governo caiam no esquecimento. Os indianos perderam a confiança na política e na polícia, aponta o advogado. "Um juiz disse certa vez que a polícia da Índia é a maior associação do crime organizado no país." Agora, a política, a polícia e a Justiça precisam se empenhar para reconquistar essa confiança perdida.

Autoria: Priya Esselborn (av)
Revisão: Francis França

Leia mais