1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Julgamento de banda punk que criticou Putin gera polêmica na Rússia

O caso Pussy Riot é um dos processos mais polêmicos dos últimos anos. Três mulheres podem ser condenadas a sete anos de prisão por um ato crítico contra o presidente Putin numa das catedrais de Moscou.

A Catedral de Cristo Salvador, em Moscou, é um magnífico edifício com cúpulas douradas situada às margens do rio Moscou e próxima ao Kremlin. Há cerca de cinco meses, ela se tornou o centro de um escândalo que envolve Igreja, política e liberdade artística na Rússia. O processo, cujo julgamento começa nesta segunda-feira (30/07) em Moscou, é considerado um dos mais polêmicos dos últimos anos.

Alguns críticos – como a jornalista moscovita Masha Gessen – falam até num "julgamento-espetáculo", como se via nos anos 1930 durante a ditadura de Stálin. Todas as sessões no tribunal serão transmitidas ao vivo pela internet, o que para a Rússia é uma novidade.

Três mulheres contra Putin

No banco dos réus estão Maria Alekhina, Nadezhda Tolokonnikova und Yekaterina Samutsevich. As três estão na casa dos 20 anos. Elas formam a banda Pussy Riot e gostam de provocar com músicas de tom político, cujos clipes elas divulgam na internet.

Russland Moskau Erlöser Kathedrale

Videoclipe foi gravado na Catedral de Cristo Salvador, em Moscou

As gravações de uma dessas performances punk aconteceram no dia 21 de fevereiro de 2012, na Catedral de Cristo Salvador, pouco antes da eleição presidencial russa. Um vídeo na internet mostra um grupo de mulheres com máscaras coloridas de tricô dançando em frente ao altar. Ao vídeo é acrescentada uma "oração punk", com uma música agitada que pede à Mãe de Deus para que persiga Putin. Há cinco meses as três mulheres estão presas. Elas são acusadas de vandalismo. A acusação pediu pena de sete anos de prisão.

Opiniões divididas na sociedade

O processo tem causado muita discussão na Rússia. Uma pesquisa na máquina de busca russa Yandex pelo termo Pussy Riot apresenta nove milhões de resultados. O vídeo com a oração punk já foi visto mais de 1,5 milhão de vezes no YouTube. O número de comentários sobre o vídeo de dois minutos aumenta a cada dia e já passou dos 30 mil.

As vozes dividem-se de maneira mais ou menos equilibrada: "é como se alguém sujasse toda a minha casa", reclama um usuário anônimo. Outro acha que o processo parece uma vingança política: "As garotas são tratadas como se tivessem planejado um atentato terrorista."

A sociedade russa também parece dividida. De acordo com pesquisa realizada pela fundação moscovita Opinião Pública no início de julho, 39% dos russos acham que alguns anos na cadeia seriam uma pena justa para as jovens da banda Pussy Riot. Quase a mesma parcela, 37%, são contra.

Poster zum Benefizkonzert für Pussy Riot in Berlin

Bandas punks da Alemanha e dos EUA organizam show beneficente

Ativistas dos direitos humanos e artistas pedem liberdade

Há meses ativistas dos direitos humanos exigem a libertação de Pussy Riot. A Anistia Internacional classificou as jovens como "prisioneiras políticas". Lyudmila Alexeyeva, diretora do Grupo Moscou Helsinki de direitos humanos fala de um "processo político". Fato é que o julgamento decorre em meio a um endurecimento na legislação que, na opinião de especialistas, foi destinado a impedir protestos políticos na Rússia.

Até mesmo na cena política russa há pouco consenso em torno do caso Pussy Riot. Escritores, músicos e atores até têm opiniões diferentes sobre se a "Oração Punk" numa catedral foi uma ação boa ou ruim. Mas a maioria rejeita uma punição mais dura. Em carta aberta, mais de 100 artistas russos famosos pedem que as meninas da Pussy Riot sejam libertadas.

Solidariedade da Alemanha

Também entre os artistas ocidentais aumenta o apoio à Pussy Riot. Num show na Rússia, o vocalista da banda norte-americana Red Hot Chili Peppers vestiu uma camiseta com o nome da banda punk. O cantor britânico Sting pediu abertamente num show em Moscou que as garotas do Pussy Riot sejam libertadas.

Ícone alemã do punk, Nina Hagen manifestou esperança de que o processo não leve a uma punição mais dura. "Eu gostaria de apelar ao governo russo e aos meus irmãos ortodoxos para que demonstrem misericórdia", disse Hagen em entrevista à DW. Ela acredita no "grande coração russo", disse a rainha do punk dos anos 1980.

Rock-Ikone Nina Hagen

Alemã Nina Hagen manifestou solidariedade às russas

Artistas alemães mais jovens também procuram demonstrar solidariedade para com a Pussy Riot. As bandas punks berlinenses Radio Havanna e Smile and Burn, juntamente com a norte-americana Anti-Flag, planejam fazer um concerto beneficente em prol da Pussy Riot no dia 31 de julho. "Para mim este é um sinal claro de repressão por parte do governo contra seu povo", disse à DW Oliver Arnold, baixista da Radio Havanna. A receita do show será destinada à Pussy Riot.

As componentes da Pussy Riot tentaram abafar o caso poucos dias antes do início do processo. "Talvez algumas pessoas encarem o nosso comportamento como um insulto. Mas não é assim", disseram elas numa carta aberta que as três escreveram na prisão. Elas agradeceram pelo apoio e chamaram tanto seus fãs quanto seus críticos a participarem de um diálogo crítico.

Autor: Roman Goncharenko (ff)
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais