1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Juiz adia julgamento de ex-presidente egípcio após confusão no tribunal

Após várias interrupções, juiz no Cairo adiou o julgamento de Mohammed Morsi para o início do ano que vem. Presidente deposto em julho passado rejeitou autoridade da corte e disse ser o líder legítimo do país.

Após um turbulento início de processo e várias interrupções, um tribunal no Cairo adiou para 8 de janeiro de 2014 o julgamento contra o ex-presidente Mohammed Morsi, informou a agência de notícias Al-Arabiya nesta segunda-feira (04/11).

O juiz interrompeu a sessão após o alvoroço provocado por Morsi e pelos demais acusados no início do julgamento. De acordo com testemunhas presentes, Morsi insultou o tribunal e as forças de segurança. Afirmando ser o presidente legítimo de seu país, ele exclamou: "Eu sou o presidente da República!". "Este tribunal é ilegal", disse Morsi, bradando ainda: "Abaixo o domínio militar!"

Morsi acusa os militares de um "golpe de Estado", porque foi retirado do poder em 3 de julho passado. Desde então, ficou preso em local secreto.

O ex-presidente egípcio está sendo acusado de "incitação ao assassinato", por ter ordenado ações brutais contra manifestantes. Se for considerado culpado, ele poderá ser condenado à prisão perpétua ou até mesmo à morte, assim como os outros 14 réus, que respondem processo por instigação à violência.

Irmandade Muçulmana no banco dos réus

O processo na Academia de Polícia do Cairo trata da morte de ao menos sete manifestantes durante protestos contra Morsi, em dezembro de 2012.

Gerichtsprozess gegen Mursi Kairo 04.11.2013

Academia de Polícia cercada pela população

O tribunal não reconhece o primeiro presidente egípcio eleito democraticamente. Morsi escolheu não ser representado por um advogado durante o processo. Segundo a TV estatal egípcia, durante o julgamento, houve confrontos entre apoiadores de Morsi e alguns observadores do processo.

Governo marcado por confrontos

Morsi é oriundo da Irmandade Muçulmana. Ele se tornou presidente em junho de 2012, após sua organização tê-lo escolhido como substituto de última hora do candidato Khairat el-Shater, cuja candidatura foi indeferida pela comissão eleitoral por motivos formais.

Nascido em 1951, Morsi estudou nos Estados Unidos e pertence à ala conservadora da Irmandade Muçulmana. À frente da presidência egípcia, seu governo foi marcado por confrontos com os militares, com a Justiça e com jovens revolucionários que apoiaram a revolta contra o ex-ditador Hosni Mubarak.

Nos protestos que aconteceram durante o seu governo, Morsi reagiu de forma bastante violenta contra os manifestantes, colocando em jogo o apoio dos eleitores não-islâmicos que haviam votado nele na eleição contra o candidato do antigo regime Mubarak.

Morsi e sua Irmandade Muçulmana acabaram isolados. Apesar do grande apelo popular dos islamistas, as manifestações de massa contra Morsi terminaram por ser utilizadas pelos militares para justificar a prisão do ex-presidente, em julho deste ano.

Leia mais