Jucá se torna réu no STF pela primeira vez | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 13.03.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Jucá se torna réu no STF pela primeira vez

Primeira Turma do Supremo aceita denúncia contra líder do governo no Senado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Parlamentar é acusado de receber propina da Odebrecht para favorecê-la em decisões no Congresso.

Romero Jucá é presidente nacional do MDB e ex-ministro do Planejamento no governo Temer

Romero Jucá é presidente nacional do MDB e ex-ministro do Planejamento no governo Temer

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) aceitou nesta terça-feira (13/03) uma denúncia contra o senador Romero Jucá (MDB-RR) por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Com a decisão, tomada por unanimidade, o parlamentar se torna réu na corte pela primeira vez.

A denúncia foi enviada em agosto do ano passado pelo então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que acusa Jucá de ter recebido, em 2014, um repasse milionário da empreiteira Odebrecht em troca de favorecer a empresa em decisões do governo.

Além de ser a primeira denúncia recebida contra Jucá, essa é a primeira denúncia aceita pelo Supremo em investigação derivada das delações premiadas da Odebrecht.

O nome do parlamentar, líder do governo no Senado e presidente nacional do MDB, foi mencionado por Cláudio Melo Filho, ex-diretor de relações institucionais da empreiteira.

Segundo o executivo, a Odebrecht fez uma doação eleitoral oficial de 150 mil reais ao diretório regional do MDB em Roraima. Para Janot, o objetivo era que Jucá beneficiasse a empresa na tramitação de duas medidas provisórias no Congresso.

A doação, segundo a Procuradoria-Geral da República (PGR), foi feita em 24 de outubro de 2014 – no mesmo dia, o diretório regional do partido repassou o valor à campanha de Chico Rodrigues (PSB) a governador de Roraima, que tinha Rodrigo Jucá (MDB), filho do senador, como vice.

"Não há dúvidas de que o sistema eleitoral foi utilizado para o pagamento disfarçado de vantagem indevida a partir de ajuste entre Romero Jucá e o executivo do grupo Odebrecht Cláudio Melo Filho", afirmou Janot na denúncia.

O senador nega as acusações. Seu advogado, Antonio Carlos de Almeida Castro, acusou a PGR de tentar criminalizar a atuação regular de Jucá como parlamentar. Ele argumentou ainda que Melo Filho em nenhum momento afirmou que a doação eleitoral da Odebrecht foi contrapartida pela aprovação das medidas provisórias.

Ao todo, Jucá é alvo de 12 inquéritos no Supremo, e já foi denunciado três vezes pelo Ministério Público Federal (MPF). O STF, no entanto, ainda não analisou os outros dois casos.

EK/abr/ots

__________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube |WhatsApp | App

Leia mais