Jovens alemães negligenciam Aids | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 01.12.2004
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Jovens alemães negligenciam Aids

Choque com surgimento da Aids, há 20 anos, deu lugar à negligência na Alemanha. Só neste ano houve duas mil novas infecções no país. Mulheres cada vez mais atingidas. Prevenção através de ONGs e engajamento em escolas.

Mesmo 20 anos depois de seu surgimento, a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida, mais conhecida pela sigla de seu nome em inglês − Aids − ou pela abreviatura do nome do vírus − HIV −, continua uma doença sem perspectiva de cura.

Além disso, embora o número de soropositivos ou vítimas da doença cresça de forma geométrica e já ameace um continente inteiro, a sociedade parece ter aprendido a conviver com o mal. Afinal, a indústria farmacêutica fatura milhões com terapias que prolongam a sobrevida dos pacientes, "suavizando" o sofrimento das vítimas e seus familiares.

Agora, superado o choque inicial de 20 anos atrás, a negligência na prevenção parece aumentar. Ao menos é o que revelam os números publicados dia 19 último pelo Instituto Robert Koch, de Berlim, e pelo programa das Nações Unidas contra a Aids. Neste ano, já foram registradas cerca de duas mil novas infecções na Alemanha, das quais 1600 em homens.

Mulheres imigrantes cada vez mais atingidas

A forma mais comum de contaminação é o sexo entre homens (55%), seguida de pessoas vindas de regiões de risco (21%) e do contato sexual entre heterossexuais (15%). No ano passado, foram registradas no país cerca de 700 mortes por causa da doença, sendo que cerca de 43 mil pessoas estão contaminadas com o vírus ou manifestaram a doença.

Refletindo um quadro mundial, também na Alemanha mulheres e garotas, especialmente imigrantes, são cada vez mais atingidas. Mas se no mundo a cota de mulheres portadoras de HIV é de 50%, na Alemanha ela não chega à metade: 20%. Do total de pacientes com a doença no país, elas perfazem 13%, afirmou em Bonn Christoph Uleer, presidente da Fundação Alemã de Luta contra a Aids (Deutsche Aids-Stiftung), por ocasião do Dia Mundial de Combate à doença neste 1º de dezembro. Desde o início do ano, a fundação está apoiando com 100 mil euros o primeiro estudo clínico na Alemanha para testar uma vacina contra a Aids.

"Doença crônica tratável"

Aids-Aufklärungsplakat Schäferstündchen

Outdoor da campanha alemã para uso de preservativo

O que preocupa as autoridades sanitárias alemãs é que, embora 99% da população saiba que sexo desprotegido é arriscado, os preservativos são cada vez menos usados. Um estudo de longo prazo feito pela Central Alemã de Esclarecimentos sobre Saúde (Bundeszentrale für Gesundheitliche Aufklärung) revelou que, em 2003, a quantidade de pessoas sem parceiro sexual fixo que usa camisinha diminuiu para 78%. Dois anos antes ainda eram 83%.

O estudo mostrou ainda que 30% dos questionados vêem a Aids como uma das doenças mais graves conhecidas (em 1987, foram 60%). Uma das razões para isso é que a juventude de hoje, sejam homo ou heterossexuais, ainda não vivia quando a doença ficou conhecida há 20 anos.

"Aumentam os sinais de que a prevenção está diminuindo, principalmente entre os jovens", advertiu a ministra da Saúde, Ulla Schmidt. Médicos berlinenses já advertiram para o aumento de novas infecções entre pessoas com menos de 30 anos.

O avanço da medicina, com medicamentos que atrasam o desenvolvimento da doença e amenizam o sofrimento dos pacientes, leva a falsas interpretações entre a população. Ela se sente levada a pensar que a doença, embora crônica, seja tratável.

Esclarecimentos aos jovens

"É uma pena que não haja mais tanta propaganda de advertência na tevê. Naturalmente, trata-se de uma questão financeira. Mas isso leva os jovens hoje a pensar que o problema [da Aids] não os atinge", alerta Udo Kwaschnik, funcionário da ONG Aids-Hilfe. Ele atende cerca de 60 colégios da cidade de Colônia, prestando informações e aconselhamento. Desde 1987, o esclarecimento sobre a Aids é obrigatório aos alunos da 9ª ou 10ª classes. Estabelecimentos de ensino podem optar por enquadrar o tema às aulas de Biologia ou de Religião.

Aids: Mutter mit Kind

Mãe e filha soropositivas em Botsuana

Por outro lado, o problema da Aids continua mobilizando vips e ONGs, que, principalmente no final do ano, procuram despertar potenciais doadores para suas campanhas e projetos assistenciais. À parte disso, a Agência Alemã de Cooperação Técnica (GTZ) desenvolveu para a Organização Mundial da Saúde (OMS) uma maneira prática de estimular a prevenção. Trata-se de uma página constantemente atualizada na internet, onde estão reunidas as experiências de vários anos na Alemanha, no Brasil, na Hungria e na Malásia. É a "toolkit" (caixa de ferramentas), voltada a organizações e iniciativas que trabalham com o esclarecimento de prostitutas, principalmente em países emergentes e em desenvolvimento.

Leia mais

Links externos