1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Jovem palestino é morto em aparente ato de vingança

Corpo de adolescente é encontrado em bosque perto de Jerusalém poucas horas depois do enterro de três jovens israelenses que estavam desaparecidos desde junho.

default

Polícia encontrou o corpo em um bosque perto de Jerusalém

O corpo de um adolescente palestino foi encontrado pela polícia israelense nesta quarta-feira (02/07) nos arredores de Jerusalém, num aparente ato de vingança pela recente morte de três jovens israelenses.

As autoridades israelenses investigam agora se o corpo encontrado é o de um jovem palestino sequestrado horas antes numa região árabe de Jerusalém Oriental, como afirma a imprensa palestina.

Segundo a rádio militar de Israel, testemunhas viram um rapaz ser forçado a entrar num carro durante a madrugada, no bairro de Beit Hanina. "Uma hora depois foi encontrado em Jerusalém um corpo que ainda não foi identificado. Estamos investigando para saber se existe alguma conexão entre os dois incidentes", disse à agência de notícias AFP uma porta-voz da polícia de Israel.

O corpo do jovem foi encontrado num bosque no oeste da cidade e apresentava sinais de incineramento e marcas de facadas, segundo a rádio. A imprensa palestina identificou a vítima como sendo o adolescente Mohammed Abu Khder, de 16 anos.

A divulgação da notícia fez com que multidões de palestinos se reunissem em frente à casa do jovem e começassem a jogar pedras contra a polícia, que respondeu aos protestos com bombas de efeito moral e balas de borracha.

O incidente aconteceu um dia após o enterro de três jovens israelenses que estavam desaparecidos desde 12 de junho e cujos corpos foram encontrados nesta segunda-feira. Eles teriam sido sequestrados no sul da Cisjordânia. Israel atribui o sequestro e a morte dos jovens ao movimento islâmico Hamas.

O enterro dos israelenses foi realizado nesta terça-feira num cemitério de Modiin, na região central de Israel. O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e o presidente Shimon Peres compareceram, além de dezenas de milhares de pessoas de outras partes do país.

Após a cerimônia, cerca de 200 israelenses protestaram em Jerusalém contra os sequestros, bradando "morte aos árabes", segundo a polícia e testemunhas. Dezenas de pessoas foram presas por perturbação da ordem pública, danos à propriedade e desacato à autoridade.

IP/afp/rtr

Leia mais