1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Jornalista da Al Jazeera desembarca no Catar

Três dias após detenção em aeroporto de Berlim, Ahmed Mansour consegue chegar a Doha. Ele lamenta a "manipulação de alguns membros do governo alemão", mas agradece por sua soltura.

O jornalista da emissora árabe Al Jazeera Ahmed Mansour desembarcou em Doha, no Catar, nesta terça-feira (23/06), um dia após ter sido

libertado pelas autoridades da Alemanha

. Mansour passou dois dias preso em Berlim devido a um mandado internacional, expedido pelo Egito, em um caso considerado controverso.

"Lamento o fato de o governo egípcio ter sido capaz de manipular alguns membros do governo alemão", declarou Mansour nesta terça-feira em uma entrevista coletiva, ainda na Alemanha. Ele afirmou temer que o presidente egípcio, Abdel-Fattah al-Sisi, tenha conseguido exportar "parte de sua ditadura, sua repressão e violações para a Alemanha".

O jornalista especulou se sua detenção, considerada por ele uma "prisão política", estaria relacionada ao encontro bilateral o presidente egípcio e a chanceler federal, Angela Merkel, há três semanas.

No entanto, ele agradeceu ao governo alemão e aos juízes que determinaram sua soltura, afirmando que esta é uma "clara mensagem de que a Alemanha está comprometida em honrar e fomentar a liberdade de expressão". Na segunda-feira, autoridades alemãs reconheceram ser pouco provável que o jornalista passe por um julgamento imparcial no Egito e ele acabou sendo solto.

Mansour, que possui tanto a cidadania egípcia como a britânica, é apresentador de um programa de entrevistas no canal árabe da Al Jazeera e seguia para Doha, sede da emissora, quando foi preso. Segundo autoridades alemãs, no mandado de apreensão constava que Mansour era procurado por "vários crimes".

Segundo o advogado do jornalista, um tribunal egípcio condenou o jornalista à revelia em 2014 a 15 anos de prisão por "torturar um advogado em 2011 na Praça Tahir", no Cairo, o epicentro da revolta que derrubou o então presidente Hosni Mubarak. O jornalista, porém, nega as acusações.

O Cairo considera que a Al Jazeera apoia a Irmandade Muçulmana, da qual fazia parte o ex-presidente Mohammed Morsi. O movimento foi banido e considerado organização terrorista por Sisi em 2013, quando o chefe militar tornou-se presidente do Egito.

Em fevereiro, o Egito libertou o jornalista australiano da Al Jazeera Peter Greste depois de 400 dias na prisão sob a acusação de ajudar a Irmandade Muçulmana.

MSB/dpa/afp

Leia mais