Jornal feito sob encomenda <i>Niiu</i> é lançado em Berlim | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 17.11.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Jornal feito sob encomenda Niiu é lançado em Berlim

O disputado mercado jornalístico ficou um pouco mais interessante com o lançamento, nesta semana, de um jornal feito sob encomenda em Berlim. O novo formato espera resistir ao crescente domínio do jornalismo online.

default

Niiu alia notícias online com jornais convencionais

As assinaturas convencionais de jornais poderão ser substituídas por um produto totalmente novo, lançado nesta segunda-feira (16/11) em Berlim. Niiu é um jornal em papel, personalizado, montado no formato de colagem com informações de jornais de todo o mundo e entregue em casa.

Cofundado por Wanya Oberhof, de 23 anos, Niiu é impresso em Berlim. A personalização de seu jornal compreende diversos aspectos. "Cada edição de Niiu é impressa somente uma vez para cada leitor. Você pode adicionar o emblema de sua equipe favorita de futebol ou algo parecido", explicou.

De fato, Niiu permite que o leitor seja seu próprio editor, escolhendo as notícias que quer ler. O preço não é muito superior ao pago nas bancas para a maioria dos jornais alemães – 1,80 euro.

Oberhof explica que se pode encomendar a primeira página de um jornal regional, o Tagesspiegel de Berlim, por exemplo. "E ainda posso pedir o caderno de esportes do Bild e de política do New York Times, combinado com conteúdo da internet."

Recuperando leitores do jornal em papel

Niiu é editado através de um software desenvolvido especialmente para ele. Sua impressão é feita por uma impressora gráfica de alta velocidade, capaz de imprimir páginas individualizadas em rolos gigantes de papel de jornal. Oberhof disse que o produto se direciona especificamente a leitores que trocaram o borrento jornal em papel pela internet.

Symbolbild deutsche Presseschau Presse

Niiu quer recuperar leitores de periódicos em papel

A maioria das estatísticas mostra que estudantes universitários e pessoas na faixa etária dos 20 e poucos anos leem cada vez menos jornais. Margaret Lünenborg, professora de jornalismo na Universidade Livre de Berlim, mostrou-se cética quanto a Niiu.

"As pessoas estão interessadas em obter informações através do caminho mais rápido e direto", disse Lünenborg. "Eu não estou segura de que elas queiram ler, no dia seguinte em uma versão em papel, o que poderiam ler neste exato momento na tela do computador através da internet".

Oberhof concorda que as pessoas gostem de ler as últimas notícias através da web, mas acha que, no caso de esportes e outros assuntos aos quais dedicam mais tempo, muitos leitores preferem obter a informação concentrada em um só lugar, poupando-lhes dificuldades na busca. "Muitas pessoas me disseram – e eu sinto o mesmo – que receber todos esses feeds RSS e clicar de uma página a outra não lhes agrada", afirmou.

Anúncios extremamente direcionados

"Nosso modelo de negócio é baseado em custos variáveis, assim ele é muito bom de calcular", disse Oberhof. "Nós editamos um jornal somente quando alguém nos paga para tal". Para obter lucro, Oberhof acredita que precisa vender cinco mil assinaturas em Berlim, onde o jornal foi primeiramente lançado. Oberhof também está convencido de que possui uma eficiente estratégia de publicidade.

Niiu pode fazer algo de que quase nenhum outro meio de comunicação impresso é capaz: graças às informações fornecidas pelos leitores ao escolher as páginas, os anúncios podem ser extremamente direcionados.

"Inserimos cerca de duas páginas de anúncios em cada edição. Como anunciante, você pode inserir somente propaganda para mulheres ou somente anúncios em um determinado bairro de Berlim", disse Oberhof. "Como próximo passo, você pode dizer: okay, o cliente é interessado em golfe. Então eu posicionarei, somente aqui, meu anúncio de golfe."

Oberhof afirmou que os anunciantes estão dispostos a pagar muito dinheiro por esse tipo de estratégia. Caso o modelo de negócio funcione, Oberhof e seu sócio pretendem expandi-lo para toda a Alemanha e Europa.

Autor: Brett Nealy (ca)

Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais