Jornada da Juventude no Rio de Janeiro pode ser primeira viagem oficial do Papa | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 14.03.2013
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Jornada da Juventude no Rio de Janeiro pode ser primeira viagem oficial do Papa

A presidente Dilma Rousseff e a CNBB congratulam o novo líder da Igreja Católica. Não ligação à Cúria é apontada como possível vantagem. Papa Francisco é esperado no Rio de Janeiro, em julho.

Em nota oficial, a presidente do Brasil, Dilma Rousseff, parabenizou o papa Francisco, e cumprimentou a Igreja Católica e o povo argentino. Ela disse aguardar a ida do novo Papa ao Brasil em julho, durante a Jornada Mundial da Juventude, no Rio de Janeiro, realizada de 23 a 28 de julho. Essa poderá ser a primeira viagem oficial do pontífice.

A presidente lembrou que o Brasil tem o maior número de católicos do mundo, e que o país acompanhou com atenção a escolha do primeiro Papa latino-americano. Ela declarou que os fiéis aguardam com ansiedade a vinda do novo pontífice e que uma visita pouco após o conclave reforçaria a ligação entre o Brasil e o Vaticano.

Nome altamente simbólico

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) também manifestou alegria pela eleição de um cardeal da América do Sul. Seu secretário-geral e bispo auxiliar de Brasília, dom Leonardo Ulrich Steiner, acredita que a escolha sinaliza a abrangência da instituição católica. "Creio que represente para toda a Igreja o desejo de ser mais atuante, uma Igreja que se renove, seja presente. É um sinal muito bonito que os cardeais nos dão, ao terem eleito um cardeal latino-americano. Sinal de que a Igreja é realmente universal", afirmou.

Em entrevista à Agência Brasil, Steiner confessou-se muito surpreso com o resultado do conclave. Ele lembra que o nome do cardeal Jorge Mario Bergoglio era pouco citado, talvez também por causa da idade avançada, 76 anos. Mas acredita que o novo Papa vai dar continuidade ao processo de diálogo iniciado por Bento 16.

Falando à DW Brasil, o religioso e escritor Frei Betto chamou a atenção para o nome pontifício. "A coisa que me alegra é saber que ele escolheu o nome de Francisco. Nunca houve um papa com este nome, e São Francisco é aquele que sonhou que a Igreja estava desabando e foi fisicamente reconstruir uma capela em Assis", conta.

Para Luiz Alberto de Souza, especialista em política e religião, a eleição é positiva porque deu chance para alguém que não é da Cúria Romana. "Elegeram alguém de fora do poder do Vaticano. Dom Odilo, por exemplo, era um homem muito ligado à Cúria Romana. Neste ponto pode ter sido melhor", analisou.

Sobre o posicionamento político do novo Papa, o teólogo Luiz Carlos Susin diz não ver conservadorismo, mas tampouco progressismo no sentido leigo do termo. Há uma questão da Igreja e do aparato doutrinal que não é possível passar por cima, comentou em entrevista à DW.

Autoria: Marcelo Auler (jor)
Revisão Augusto Valente

Leia mais