Joachim Gauck toma posse como presidente da Alemanha | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 23.03.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Joachim Gauck toma posse como presidente da Alemanha

Em seu discurso após o juramento, o ex-pastor de 72 anos pediu união e coragem aos alemães para avançar com a integração no país e enfrentar tanto o extremismo de direita quanto a crise que atinge a Europa.

Joachim Gauck tomou posse nesta sexta-feira (23/03) como novo presidente da Alemanha. Em cerimônia realizada no Parlamento alemão, o teólogo de 72 anos ressaltou que confiança, liberdade e igualdade de oportunidades serão os principais temas de seu mandato de cinco anos. Ele também pretende trabalhar por uma sociedade aberta e quer avançar no que diz respeito à integração, que era a bandeira de seu antecessor Christian Wulff.

"Liberdade é uma condição essencial para a justiça", afirmou o novo chefe de Estado alemão em seu discurso de posse. Em contrapartida, a justiça também é "a base para a liberdade". Para alcançá-la, é preciso que a população confie novamente nela mesma e na Alemanha como um país unido, ressaltou.

Luta contra extremismo

O novo presidente prestou juramento diante da chanceler federal alemã, Angela Merkel, e dos representantes das duas câmaras parlamentares alemãs (Bundestag e Bundesrat). Ainda em seu discurso, Gauck pediu à população que se levante contra o extremismo de direita e que defenda a democracia no país.

"Não deixaremos que tomem de nós a nossa democracia, estamos do lado do nosso país", afirmou, ressaltando que a luta contra as ameaças de terrorismo e extremismo islâmico vai continuar. Segundo Gauck, o slogan contra as ameaças extremistas deve ser: "Seu ódio é incentivo para nós. Não vamos desapontar nosso país. Não vamos lhes dar o nosso medo de presente".

Ainda em seu discurso, Gauck lembrou as atrocidades do período nazista e ressaltou suas marcas para o país à época. Em sua avaliação, isso começou a mudar com a geração de 1968 que, segundo ele, não só "rompeu as crostas", como trouxe para o consciente a culpa coletiva dos alemães. Ativista de direitos civis na antiga Alemanha Oriental, o ex-pastor destacou ainda os ganhos do país com a queda do Muro de Berlim.

O novo presidente defende o apoio à Europa e a suas instituições, ressaltando que o tempo de crise é marcado pelo perigo de os Estados se fecharem. Mas que os europeus devem ter o "sopro de vida da solidariedade". "Durante a crise isso significa: 'queremos apostar mais na Europa'", ressaltou.

Ao final de seu discurso, pediu a confiança dos alemães: "Segundo Gandhi, apenas um homem que confia em si mesmo e que tem a confiança dos outros consegue avançar e obter resultados. Isso vale tanto para pessoas quanto para nações", afirmou Joachim Gauck.

Varsóvia é primeira estação

Após o juramento e o discurso de posse, o novo presidente foi recebido com uma cerimônia de honras militares no Palácio Bellevue, sua residência oficial em Berlim. Na próxima semana, Gauck fará sua primeira viagem internacional oficial como presidente da Alemanha. Ele e sua companheira, a jornalista Daniela Schadt, irão a Varsóvia, na Polônia.

O novo presidente foi escolhido no último domingo pela Assembleia Federal, composta por membros do Parlamento alemão e delegados indicados pelos 16 estados federados. Sua indicação é fruto de um consenso dos principais partidos do país.

Gauck, que não tem filiação partidária, é o 11º presidente da República da Alemanha, e o terceiro num período de apenas três anos. Ele substitui Christian Wulff, que renunciou ao cargo por envolvimento numa série de escândalos, inclusive de favorecimento ilícito.

MSB/dapd/rtr/epd/dpa
Revisão: Augusto Valente

Leia mais