Jean Ziegler critica ″sabotagem″ dos EUA ao Conselho de Direitos Humanos da ONU | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 17.06.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Jean Ziegler critica "sabotagem" dos EUA ao Conselho de Direitos Humanos da ONU

O sociólogo suíço Jean Ziegler conversa com a DW-WORLD.DE sobre o Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas e critica o papel dos EUA e o estilo de liderança do secretário-geral da ONU.

default

Ziegler: 'Para países em desenvolvimento, direitos econômicos têm prioridade absoluta'

Jean Ziegler, sociólogo e autor do livro O Império da Vergonha , foi relator especial do Conselho de Direitos Humanos da ONU para direito à alimentação. Em março de 2008, foi eleito para a comissão assessora do mesmo conselho, que está reunido em Genebra até 18 de junho.

DW-WORLD.DE : Sr. Ziegler, o Conselho de Direitos Humanos da ONU recebe críticas freqüentes, porque os países do sul estão em maioria de dois-terços em comparação com o Ocidente. Com isso, muitas propostas da Europa acabam por ser bloqueadas. O que tem que mudar?

Jean Ziegler : Na ONU, todo país tem um voto. Não há como mudar isso. Evidentemente a maioria de dois terços é um fator de poder considerável. Mas não tem nada a ver com conspiração ou coisa do gênero. É ótimo haver o Conselho de Direitos Humanos. Todos os governos importantes participam – só os Estados Unidos não. À parte disso, o órgão é bastante representativo. Os países têm trajetórias históricas, valores e interesses diversos, em parte antagônicos. A única coisa que ajuda é o diálogo. E o Conselho de Direitos Humanos é o contexto para isso.

Os Estados Unidos anunciaram que vão renunciar ao seu status de observador no Conselho de Direitos Humanos. Qual o papel dos EUA?

O Conselho de Direitos Humanos é a terceira instância mais importante na hierarquia da ONU, mas os Estados Unidos resolveram se manter totalmente à parte. Entre outras coisas, eles se oporiam a uma avaliação da situação dos direitos humanos no país. E agora eles suspenderam o montante de sua contribuição anual à ONU destinado ao Conselho de Direitos Humanos. Ou seja, também é uma espécie de represália orçamentária. Os EUA eram contra o conselho desde o início. O embaixador de Washington na ONU, John Bolton, disse que o órgão não passaria de um fardo. Desde a fundação do Conselho, há dois anos, o papel norte-americano é totalmente negativo. Mais sabotagem impossível.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, está procurando um sucessor para Louise Arbour, que se afasta no final de junho do cargo de alta comissária para Direitos Humanos. Agora os diplomatas e as organizações de direitos humanos o estão acusando de falta de transparência. Ban Ki-moon não costuma muito jogar com cartas abertas?

Juridicamente, o secretário-geral tem o direito de decidir sozinho quem nomear para o cargo de alto comissário. Ele não está violando nenhuma regra, mas sua atuação é pouco transparente. Isso é perigoso, pois falta apoio público. Psicologicamente, também não é bom. Deveria haver uma ampla consulta à sociedade civil, aos países democráticos e assim por diante. E só depois se deveria chegar ao perfil da pessoa adequada, da mesma forma como se faz numa universidade, quando surge uma vaga. Faz-se um concurso para o cargo e explica-se o que se espera do candidato.

O que o secretário-geral deveria fazer concretamente?

Ele deveria esclarecer em que direção pretendemos seguir com os direitos humanos. Os direitos políticos têm prioridade política ou econômica? Para os EUA, o Canadá, a Austrália e outros governos, não existem direitos econômicos. Conseqüentemente, não existe direito à alimentação. Isso significa que a fome no mundo só poderia ser resolvida pelo mercado. Para os países em desenvolvimento, os direitos econômicos têm prioridade absoluta, porque esses países vivem a fome, o subdesenvolvimento e a pobreza. Neste ponto, seria preciso deixar claro o que se espera do novo alto comissário, em vez de permitir – por trás de portas fechadas, no estilo do Vaticano – que se propaguem boatos.

Leia mais