1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Japão instala sistema antimíssil frente às ameaças da Coreia do Norte

Duas unidades são instaladas no centro da capital Tóquio e reforçam a capacidade já existente no Mar do Japão. Na Coreia do Norte, complexo industrial de Kaesong não está funcionando.

default

O Japão instala pelo menos duas unidades Patriot Advanced Capability-3 (PAC-3)

Diante das ameaças de um eventual ataque da Coreia do Norte, o Japão instalou, no centro de Tóquio, um sistema de defesa para interceptar possíveis lançamentos de mísseis.

Segundo o Ministério da Defesa, o Japão recorreu a pelo menos duas unidades Patriot Advanced Capability-3 (PAC-3) para proteger as 30 milhões de pessoas que vivem na região metropolitana da capital, mas não revelou detalhes do plano de contingência.

“O governo está fazendo o máximo esforço para proteger as vidas de nosso povo e garantir sua segurança”, disse o primeiro-ministro Shinzo Abe. Mais duas unidades antimísseis devem ser instaladas nas bases militares de Asaka e Narashino. Os sistemas reforçam a capacidade já instalada no Mar do Japão.

Trabalho em Kaesong suspenso

Funcionários norte-coreanos do complexo industrial de Kaesong, único projeto comum em vigor das duas Coreias, não se apresentaram a seus postos de trabalho nesta terça-feira, levando à interrupção das atividades das fábricas.

Desde que entrou em operação, em 2004, esta é a primeira paralisação do complexo industrial. O complexo de Kaesong emprega 53.000 norte-coreanos e é uma das poucas fontes de recursos do país.

O regime comunista anunciou na segunda-feira que retiraria todos os seus trabalhadores de Kaesong após bloquear por seis dias o acesso de sul-coreanos ao complexo localizado em seu território, como parte da intensa campanha de ameaças que mantém desde março.

A tensão na península coreana aumentou após o terceiro teste nuclear feito pelo governo em Pyongyang, em fevereiro, e depois de as Nações Unidas terem elevado as sanções ao país do ditador Kim Jon-un, que tem feito ameaças quase diárias à Coreia do Sul e aos Estados Unidos.

MAM/lusa/afp/rtr

Leia mais