1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Copa do Mundo

Japão aposta em um italiano para desbancar outros onze

Comandada por Alberto Zaccheroni, ex-técnico de Milan e Juventus, seleção japonesa tenta evitar desclassificação contra a Azzurra, que tem praticamente todo o seu elenco atuando no futebol da Itália.

Após estrearem de forma oposta, Itália e Japão jogam nesta quarta-feira (19/06) na Arena Pernambuco, buscando os três pontos, mas com propósitos diferentes. Enquanto os italianos querem selar a passagem para as semifinais, os japoneses precisam da vitória para manter vivas as chances de classificação para o mata-mata.

O trunfo do Japão está no banco de reservas. Desde 2010, Alberto Zaccheroni, que já dirigiu equipes como Milan, Internazionale e Juventus, é o sexto treinador estrangeiro a comandar a seleção japonesa. Conhecedor do futebol da Itália, Zaccheroni, que declarou que sua equipe mostrou apenas 50% do futebol que é capaz de jogar contra o Brasil, sabe que o ponto fraco do seu time é exatamente onde a escola italiana sempre produziu craques: volantes de contenção.

FIFA Confederations Cup 2013 Brasilien Japan Fußball

Hasebe terá a dura missão de parar Pirlo. Contra o Brasil recebeu um cartão amarelo e está pendurado

Makoto Hasebe é um dos volantes titulares e, em entrevista coletiva, mostrou que concorda com a preocupação tática de seu treinador. Questionado sobre qual seria o jogador a ser marcado de mais perto no duelo contra a Itália, Hasebe não teve dúvidas:

"Pirlo. Ele é o cérebro da equipe, um excelente jogador. Nós precisamos chegar sempre junto dele e não permitir que ele faça as suas jogadas."

Pirlo, eleito o melhor jogador na vitória frente ao México, é o canal de escape do time italiano. É Para ele que a bola vai quando o time se encontra em dificuldade. Jogando entre a linha dos meias e a dupla de volantes, o craque da Juventus procura sempre aquele espaço milimétrico para o passe mortal. E a missão de Hasebe será exatamente impedir que o meia italiano respire e tenha tempo suficiente para criar.

Cesare Prandelli

Prandelli adotou o discurso cauteloso e acredita em jogo duro contra o compatriota Zaccheroni

Já do lado italiano, o treinador Cesare Prandelli deve voltar a investir na velocidade de Emanuele Giaccherini, autor da assistência do gol salvador de Balotelli contra os mexicanos. A chave do jogo para a Azzurra está em colocar Giaccherini para infernizar o nem sempre seguro lateral-esquerdo Yoshida, além de adiantar um pouco mais o meia Montolivo, e tentar assim desafogar Pirlo no trabalho da armação.

Para Prandelli, a seleção japonesa, que ao contrário da Itália já conseguiu alcançar uma final de Copa das Confederações, será um adversário bastante complicado. Ele mostra preocupação com a tática a ser adotada por seu conterrâneo e parceiro de profissão.

"O Japão tem uma pequena vantagem. Acredito nisso devido ao dia extra de descanso, e claro, devido a Alberto Zaccheroni, que nos conhece muito bem e sabe como trabalhamos. Estou esperando que ele nos arme uma armadilha. Acredito que Alberto virá com alguma estratégia interessante contra nós".

Japan Fußballnationalmannschaft für WM 2014 qualifiziert

Alberto Zaccheroni e o Japão: a primeira seleção a comemorar a classificação para a Copa do Mundo de 2014

Prováveis escalações

Itália: Gianluigi Buffon; Iganzio Abate, Mattia De Sciglio, Giorgio Chiellini e Andrea Barzagli; Daniele De Rossi, Claudio Marchisio, Riccardo Montolivo e Andrea Pirlo; Emanuele Giaccherini e Mario Balotelli. Técnico: Cesare Prandelli.

Japão: Eiji Kawashima; Atsuto Ushida, Yuto Nagatomo, Yasuyuki Konno e Maya Yoshida; Makoto Hasebe, Hiroshi Kyotake, Yasuhito Endo, Shinji Kagawa e Keisuke Honda; Shinji Okazaki. Técnico: Alberto Zaccheroni

Local

Arena Pernambuco – Recife

Árbitro

Diego Abal (Argentina), auxiliado por seus compatriotas Hernán Maidana e Juan Pablo Belatti

Destaques

Itália

Andrea Pirlo: eleito pela Fifa o melhor jogador na vitória frente ao México, Pirlo coroou sua centésima partida pela Squadra Azzurra com um belo gol de falta. O maestro do meio-campo italiano organiza todas as jogadas de ataque, bate escanteios e todas as faltas. E, quando arrisca um lançamento longo, raramente a bola não encontra um companheiro. Pirlo carrega a classe de um antigo camisa 10.

Japão

Japan Jordanien Shinji Kagawa Enttäuschung

Shinji Kagawa, motor do meio campo japonês, precisa ser mais incisivo, contra a seleção italiana

Shinji Kagawa: ao lado do loirinho Keisuke Honda, Shinji Kagawa organiza o meio-campo da seleção japonesa. Depois de uma excelente temporada pelo Borussia Dortmund, da Alemanha, Kagawa foi vendido ao Manchester United, onde ainda não conseguiu mostrar todo o seu talento. Não é o jogador mais técnico e nem o mais perigoso do Japão, mas é de longe o mais cerebral. Para não repetir a atuação apagada contra o Brasil, Kagawa precisa buscar mais a aproximação com Honda e Okazaki, além de procurar rodar mais a bola na horizontal com Endo e Kyotake.

Retrospecto

Houve um único confronto na história entre Japão e Itália. E terminou em empate: 1 a 1.

Último confronto

Em 7 de novembro de 2011, na cidade japonesa de Saitama, empate em 1 a 1.

Curiosidade

A Itália mostrou na primeira rodada o que é uma verdadeira seleção nacional. Dos 11 titulares em campo, todos atuam em clubes italianos. Mais impressionante, que em apenas três clubes diferentes: Juventus, Milan e Roma. Nem a seleção do Taiti escalou uma equipe "puramente" taitiana (o atacante Vahirua joga na Grécia). O único jogador no elenco da Azzurra que não atua por um clube italiano, é o goleiro reserva Salvatore Sirigu, titular do campeão francês Paris Saints-Germain.

Leia mais