Janot pede impedimento de Gilmar Mendes no caso Eike Batista | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 08.05.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Janot pede impedimento de Gilmar Mendes no caso Eike Batista

Procurador-geral da República quer reverter decisão que libertou empresário e alega que ministro do STF não poderia decidir sobre o caso. Esposa de Mendes é sócia de escritório de advocacia que representa Eike Batista.

Pedido coloca em dúvida imparcialidade de Mendes para julgar o caso

Pedido coloca em dúvida imparcialidade de Mendes para julgar o caso

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou nesta segunda-feira (08/05) um pedido ao Supremo Tribunal Federal (STF) solicitando o impedimento do ministro Gilmar Mendes para atuar no caso de Eike Batista.

Há pouco mais de uma semana, Mendes ordenou a libertação do empresário, através de uma decisão liminar. Janot argumenta que o ministro não poderia atuar no caso, pois sua esposa, Guiomar Mendes, é sócia de um escritório de advocacia que representa Eike em diversos processos.

Janot solicitou ainda que a liminar que libertou o empresário seja anulada. Com o pedido de impedimento, é colocada em dúvida a imparcialidade do ministro para julgar o caso.

O pedido de impedimento foi encaminhado à presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, e deve ser levado a plenário. Janot solicita ainda que Mendes seja interrogado pelo pares.

Eike foi preso em janeiro no âmbito da Operação Eficiência, um desdobramento da Lava Jato no Rio de Janeiro. Ele é acusado de corrupção ativa e lavagem de dinheiro.

Eike é suspeito de lavagem de dinheiro num esquema de corrupção envolvendo o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral, que está preso. De acordo com dois doleiros que fizeram acordos de delação, o empresário teria pago 16,5 milhões de dólares a Cabral em troca de benefícios em obras e negócios do grupo EBX, do qual é proprietário.

O dinheiro teria sido depositado numa conta movimentada por operadoras de Cabral no Uruguai. A operação foi justificada com uma simulação de compra e venda de uma mina de ouro.

CN/abr/ots

Leia mais