1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Ivanov: Ampliação da OTAN não é problema da Rússia

Ministro russo da Defesa Sergei Ivanov visita a Alemanha. Secretário norte-americano da Defesa, Donald Rumsfeld defende o ingresso de um grande número de países na OTAN.

default

Ministro alemão Rudolf Scharping (centro) recebe seu colega russo Sergei Ivanov (e), em Colônia

Ao iniciar sua visita de dois dias à Alemanha, o ministro russo da Defesa, Sergei Ivanov, ressaltou a unanimidade dos dois países no combate ao terrorismo. Agora que um conflito militar entre a Europa e a Rússia tornou-se impensável, "os problemas mais agudos são o terrorismo e as armas de destruição em massa", disse Ivanov, em Mainz. Antes de visitar esta cidade, ele foi recebido com honras militares por seu colega alemão Rudolf Scharping, no aeroporto de Colônia/Bonn. Ivanov chegou à Alemanha procedente de Bruxelas, onde participou pela primeira vez do novo conselho de cooperação entre a OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte) e a Rússia.

A nova ameaça do Sul - Scharping reforçou suas palavras. "Precisamos fortalecer a cooperação entre a União Européia, a OTAN e a Rússia, diante da ameaça geográfica que vem do Sul", observou, referindo-se aos países pobres que recorrem ao terrorismo como arma. Quanto ao conflito Leste-Oeste, entre o antigo bloco comunista e os países ocidentais, teria ido parar no "lixo da história", segundo o político alemão do Partido Social Democrático. O conselho de cooperação OTAN-Rússia seria, neste contexto, "um progresso histórico".

Não obstante, Moscou continua considerando a OTAN uma aliança militar, pelo que não vê de bom grado a sua planejada expansão para o Leste, com a admissão de novos membros, países antes pertencentes ao Bloco de Varsóvia. Ivanov, contudo, considerou a ampliação da OTAN "um problema da OTAN e não da Rússia", o que seu anfitrião interpretou como um sinal da "posição construtiva de Moscou".

Distensão após conflito Leste-Oeste - A questão parece ser apenas retórica, pois o governo russo não mudou sua posição. No entanto, é evidente a distensão desde a criação do conselho de cooperação. No final de maio, um porta-voz do Ministério russo das Relações Exteriores caracterizara a ampliação da OTAN de "um erro notório", por não significar maior segurança nem para a OTAN, nem para os seus novos membros.

Em novembro, a OTAN irá discutir sobre a admissão de até sete ex-países comunistas da Europa Oriental. Scharping e Ivanov pretendem conversar ainda sobre temas da cooperação teuto-russa e a escalada do conflito na Caxemira, entre a Índia e o Paquistão.

EUA exigem especialização na OTAN

Quem vai à região nos próximos dias, em missão de mediação, é o secretário norte-americano da Defesa, Donald Rumsfeld, cuja agenda também inclui uma visita ao Kuweit, Catar e Barein. Rumsfeld conclamou os países-membros da OTAN a se especializarem em certas tarefas dentro da aliança militar. "Cada país deveria se concentrar especialmente no terreno em que pode prestar a contribuição mais efetiva", disse Rumsfeld, neste sábado (08.06), em Tallinn. Na capital da Estônia ele se reuniu com seus colegas de pasta dos países bálticos e escandinavos. As conversações giraram em torno do combate ao terrorismo, bem como de tarefas militares e cooperação regional.

"Quanto maior o número de países a entrarem para a OTAN, melhor será a aliança militar no futuro", disse Donald Rumsfeld, reiterando seu apoio à ampliação. Os países bálticos - Estônia, Lituânia e Letônia - tiveram um desenvolvimento notório, segundo ele. A decisão sobre o seu ingresso, considerada altamente sensível pela Rússia devido à proximidade com seu território, deverá ser tomada durante o encontro de cúpula da OTAN, em novembro, em Praga.