1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Itália prende dois sobreviventes da tragédia no Mediterrâneo

Agência da ONU diz que mortos no naufrágio de domingo chegam a 800, conforme informações dos sobreviventes. Polícia anunciou prisão de supostos capitão e membro da tripulação do barco, suspeitos de traficar pessoas.

Assistir ao vídeo 01:55

Prisões após naufrágio no Mediterrâneo

A tragédia de refugiados na costa da Líbia pode ter sido mais grave do que se pensava. Segundo informou nesta terça-feira (21/04) o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), 800 migrantes morreram no naufrágio de uma traineira, ocorrido no domingo no Mar Mediterrâneo, segundo relatos de sobreviventes.

A polícia italiana anunciou que dois dos 28 sobreviventes (um tunisiano e um sírio), supostamente o capitão e um membro da tripulação do barco, foram detidos. A suspeita é de que eles pertençam a uma quadrilha de tráfico de pessoas que teria organizado a viagem.

"Podemos dizer que 800 pessoas morreram", disse a porta-voz do Acnur na Itália, Carlotta Sami. O porta-voz da Organização Internacional de Migração (OIM), Flavio Di Giacomo, confirmou a estimativa.

Inicialmente o Acnur havia estimado o número de mortos no naufrágio de domingo em cerca de 700. Na ocasião, Sami já havia dito que, se os números se confirmassem, esta seria "a pior tragédia" já ocorrida no Mediterrâneo.

Os representantes da ONU falaram com a maioria dos 27 sobreviventes do desastre. Eles foram levados à noite para Catânia, na Sicília, onde foram recebidos pelo ministro italiano dos Transportes, Graziano Delrio. Eles foram depois levados para centros de acolhimento da região.

Um sobrevivente de Bangladesh havia sido levado mais cedo à Catânia, por problemas de saúde. Ele declarou que a bordo do barco havia 950 refugiados, incluindo 50 crianças.

"Confrontamos os testemunhos, havia pouco mais de 800 pessoas a bordo, incluindo crianças com idades entre 10 e 12 anos", disse Sami.

Presos foram identificados por sobreviventes

Os dois homens presos foram identificados pelos outros ocupantes do barco, segundo o promotor Giovanni Salvim, responsável pelo caso. Também o sobrevivente de Bangladesh que está hospitalizado reconheceu os dois através de fotos.

A traineira que zarpou da Líbia no domingo com destino à Itália transportava migrantes da Síria, Eritreia, Somália, Mali, Gâmbia, Senegal e Bangladesh.

Segundo relatos de sobreviventes, recolhidos pelo Acnur e pela OIM, a embarcação virou depois de um navio de português se ter aproximado respondendo a um chamado de socorro, causando uma debandada.

A guarda costeira italiana, que informou ter resgatado 24 corpos, não confirmou o balanço relatado pelos sobreviventes.

Reação da UE

A União Europeia decidiu realizar uma cúpula extraordinária na próxima quinta-feira para responder ao drama dos migrantes no Mediterrâneo, após uma série de naufrágios que fizeram mais de 1.600 mortos ou desaparecidos desde o início do ano, de acordo com dados da ONU.

Como reação às tragédias, a União Europeia quer ampliar as ações de patrulhamento no Mediterrâneo. A chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, anunciou nesta segunda-feira um plano com dez ações imediatas para prevenir novos incidentes envolvendo refugiados, incluindo duplicação do número de barcos-patrulha da União Europeia e também do orçamento para programas de vigilância marítima.

Além disso, estão previstas a destruição de barcos usados para o tráfico de pessoas, o acolhimento voluntário de ao menos 5 mil refugiados nas zonas de crise e o envio de especialistas para regiões como o Norte da África para realizar tarefas de inteligência.

MD/edp/dpa/afp/lusa

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados