1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Israelense resgata história de futebol e propaganda em Theresienstadt

Campo de concentração tinha até um campeonato, disputado pelos detentos e usado pelos nazistas para fins de propaganda. Pesquisador relembra essa história para mostrar aos jovens as atrocidades do Holocausto.

Oded Breda aponta para um pedaço amarelado de papel. Ele conhece essas linhas escritas quase de cor, são as anotações de um prisioneiro de 13 anos, que descreve no seu diário um jogo de futebol no campo de concentração de Theresienstadt, em 1944.

Só que esse não foi um jogo que se prestava à diversão, mas à propaganda nazista. A SS colocou prisioneiros saudáveis, com roupas limpas, nas primeiras fileiras dos assentos, bem perto das câmeras. Idosos e doentes foram escondidos. "Temos que ver a propaganda de forma crítica", diz Breda. "Caso contrário, o jogo parece um acampamento de verão."

Breda, um israelense de 60 anos, especialista em computação, é diretor da Beit Theresienstadt, a Casa Theresienstadt, um memorial em Givat Haim, um kibutz ao norte de Tel Aviv. A casa é inspirada nos muros angulosos da Fortaleza de Theresienstadt.

Breda caminha até a frente da sala e passa a mão sobre fotos emolduradas em preto e branco: são fotos daquele filme de propaganda. Nelas há prisioneiros aparentemente felizes na biblioteca ou na sáuna. Eles aparecem como escultores, músicos de orquestra, metalúrgicos. E como jogadores de futebol num pátio de quartel, cercados por milhares de espectadores. O filme se tornou um mito. Seu título não oficial: "O führer presenteia os judeus com uma cidade".

Fußballiga im KZ Theresienstadt Oded Breda

Breda largou até o emprego para pesquisar a história da família, que foi vítima do Holacausto

Uma das fotos mostra um homem jovem, loiro e forte. Ele entra no campo empoeirado de Theresienstadt, sua camisa branca tem, bordada, uma estrela amarela. "Esta foto me tira o sono", diz Breda. A imagem é do seu tio Pavel. Sorrindo.

O pai dele, Moshe, foi um dos poucos membros da família que conseguiram escapar para a Palestina, em 1939. Breda perguntou a ele o que havia acontecido com o tio Pavel em Theresienstadt, mas não obteve resposta. Um dia, Breda não aguentou mais, largou o emprego e se dedicou à pesquisa sobre Theresienstadt, sua família, suas raízes. E – o que no início jamais imaginaria – sobre jogos de futebol no campo de concentração.

Campo "modelo"

Os nazistas usaram Theresienstadt, perto de Praga, como um campo de trânsito, antes de os prisioneiros serem enviados para os campos de extermínio, como Auschwitz. No final de 1943, 450 judeus foram deportados para lá, vindos da Dinamarca. O governo dinamarquês fez questão que inspetores avaliassem o local. Antes disso, os presos tiveram que renovar as casas.

Em 23 de junho de 1944, uma delegação da Cruz Vermelha Internacional visitou o gueto, e foi ludibriada pelas "medidas de embelezamento". O comandante do campo ordenou que fosse feito um filme de propaganda, mostrando os internos trabalhando em jardinagem, famílias jogando cartas e um jogo de futebol entre os trabalhadores da "câmara de roupas" e da "assistência à juventude". A maioria dos jogadores e espectadores morreu algumas semanas mais tarde em Auschwitz. Das 157 mil pessoas que passaram por Theresienstadt, só 4 mil sobreviveram.

Fußballiga im KZ Theresienstadt

Filme de propaganda nazista mostra partida de futebol no campo de concentração de Theresienstadt

As imagens do filme nem sempre são nítidas. Assim, por muito tempo, Breda não teve certeza se seu tio Pavel havia participado no jogo. Breda pesquisou em Brünn e Praga, em arquivos e sinagogas. Oito anos atrás, visitou a Casa Theresienstadt, construída pelos sobreviventes na década de 1970.

Lá conheceu Peter Erben, o último daqueles jogadores de futebol ainda vivo. Erben, com 94 anos, confirmou que Pavel participara da partida, jogando no time da "assistência à juventude". Quatro semanas depois da filmagem, Pavel foi enviado a Auschwitz, onde morreu de inanição, aos 20 anos.

Breda coletou notas, desenhos, memórias e rascunhos de planos de jogos. Com amigos, reconstruiu a Liga Terezin: no pátio do quartel, no chamado "Barracão de Dresden", foram realizados, entre 1942 e 1944, dezenas de jogos. As equipes eram divididas conforme as profissões dos internos: cozinheiros contra eletricistas, jardineiros contra alfaiates. Outros jogadores quiseram prestar homenagem a seus times favoritos, unindo-se em equipes, chamadas Fortuna Colônia ou Fortuna Viena. "O futebol proporcionava um pouco de solidariedade", diz Breda.

Novas maneiras de transmitir a história

Fußballiga im KZ Theresienstadt

Prisioneiros saudáveis eram dispostos nas primeiras filas. Idosos e doentes eram escondidos atrás

Há seis anos, Breda inaugurou a exposição Liga Terezin, como sala para juventude do memorial em Givat Haim. Todo outono é realizado um torneio em memória da época, em que jovens jogam vestidos com reproduções das camisas das equipes do campo de concentração.

"A geração mais jovem vive numa sociedade de bem-estar, e refletir sobre o Holocausto é, muitas vezes, encarado como uma tarefa obrigatória para eles", diz Breda, acrescentando que, através do futebol, ele pode falar para jovens que não alcançaria de outra forma.

Breda produziu um filme de 50 minutos, em cooperação com os jornalistas Mike Schwartz e Avi Kanner. Breda e Schwartz vão exibir a obra a partir desta segunda-feira (26/01) em sete cidades alemãs, 70 anos depois da libertação de Auschwitz, incluindo Berlim, Munique e Stuttgart.

Segundo estimativas, vivem ainda 350 mil sobreviventes do Holocausto. Essa geração provavelmente não existirá dentro de 15 anos. Por isso, museus e memoriais precisam pensar em novas maneiras de transmitir a história. Breda quer resgatar velhos exemplos através do futebol.

Pavel Mahrer, por exemplo, participou dos Jogos Olímpicos de 1924 pela Tchecoslováquia. Ele jogou nos Estados Unidos e, durante a crise econômica, foi para a Europa. Mahrer foi deportado para Theresienstadt, onde jogou pela equipe dos açougueiros.

Quando Breda recebe os jovens em seu memorial, menciona não só o elevado número de mortes do Holocausto. Ele também conta histórias pessoais, como as de seu tio e de Pavel Mahrer.

Leia mais