1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

"Israel só tem a perder com guerra em Gaza", diz Amós Oz

Um dos maiores defensores da solução de dois Estados, escritor apoia direito israelense de se defender, mas vê atual ofensiva como excessiva. Para ele, quanto mais vítimas, melhor para o Hamas.

Amós Oz vê atual ofensiva israelense na Faixa de Gaza como fez em outros conflitos recentes envolvendo o seu país: de forma crítica. Um dos maiores defensores da solução de dois Estados, o escritor apoia o direito de Israel de se defender, mas condena ações militares excessivas – como, em sua visão, se tornou a atual.

Em entrevista à DW, o autor, que teve suas obras traduzidas para mais de 40 idiomas, demonstra ceticismo sobre o fim da guerra entre Israel e Hamas. As atuais hostilidades, afirma, só vão parar quando uma das partes estiver esgotada. E diz que Israel só tem a perder com essa situação.

"Quanto mais israelenses morrem, melhor para o Hamas. Quanto mais civis palestinos morrem, melhor para o Hamas", afirma.

Amóz Oz: Eu gostaria de começar a entrevista de uma forma diferente, apresentando uma ou duas perguntas aos seus leitores. Posso fazer isso?

Deutsche Welle: Claro.

Primeira pergunta: O que você faria se seu vizinho se sentasse na varanda do outro lado da rua, colocasse o filho dele no colo e começasse a atirar em direção ao quarto do seu filho?

Segunda pergunta: O que você faria se seu vizinho da frente cavasse um túnel do quarto do filho dele para o quarto do seu, com o objetivo de explodir a sua casa ou raptar a sua família?

Com essas duas perguntas, eu passo a palavra para você.

Presumo que – assim como no caso da guerra do Líbano de 2006 e da ofensiva de Gaza de 2009 – você apoia a atual ofensiva israelense à Faixa de Gaza?

Não, eu só apoio respostas militares limitadas, e não ilimitadas, assim como fiz em 2006 e, mais tarde, no último conflito em Gaza.

Qual é o limite para você?

Destrua os túneis de onde eles vêm e tente atingir estritamente alvos do Hamas, e não outros alvos.

Parece haver um problema aqui. Os túneis são um sistema elaborado e difícil de se encontrar. As entradas estão escondidas em edifícios públicos e privados, de modo que você teria que fazer buscas de casa em casa, o que afeta os civis. O mesmo se aplica para destruir lançadores de foguetes em áreas civis...

Bem, talvez não tenha jeito de evitar vítimas civis entre os palestinos se o vizinho coloca o filho no colo enquanto atira no quarto do seu filho.

A analogia da criança no colo é realmente adequada? Gaza é densamente povoada, e as posições do Hamas estão inevitavelmente em áreas civis.

Sim – e essa é a estratégia do Hamas. É por isso que Israel só tem a perder nessa situação. Quanto mais israelenses morrem, melhor para o Hamas. Quanto mais civis palestinos morrem, melhor para o Hamas.

Você considera a ofensiva terrestre atual limitada ou ilimitada?

Acho que em alguns pontos ela é excessiva. Não tenho informações detalhadas sobre o que está realmente acontecendo na batalha, mas a julgar por alguns dos ataques do Exército israelense a Gaza, acho que, ao menos em alguns pontos, a ação militar é excessiva – justificada, mas excessiva.

Então, qual é a sua sugestão?

Minha sugestão é uma aproximação com Abu Mazen [o presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas] e aceitar os termos – que o mundo inteiro já conhece – para uma solução de dois Estados e a coexistência entre Israel e a Cisjordânia: duas capitais em Jerusalém, uma modificação territorial de comum acordo, a remoção da maior parte dos assentamentos judaicos da Cisjordânia.

Quando Ramallah e Nablus, na Cisjordânia, viverem em prosperidade e liberdade, eu acredito que, mais cedo ou mais tarde, as pessoas em Gaza vão fazer com o Hamas o que o povo da Romênia fez com Ceausescu. Eu não sei quanto tempo vai demorar, mas aconteceria, simplesmente porque as pessoas em Gaza teriam inveja da liberdade e da prosperidade dos seus irmãos e irmãs na Cisjordânia, no Estado da Palestina. Na minha opinião, essa é a solução, embora ela não possa ser implementada em 24 ou 48 horas.

Nahostkonflikt Israel Rückzug aus dem Gazastreifen 3.8.2014

"O mal supremo é a agressão e a única maneira de repelir a agressão é, infelizmente, pela força"

Você pode imaginar um Estado palestino que não seja hostil a Israel?

Plenamente. Acredito que a maioria dos palestinos não morra de amores por Israel, mas eles aceitam, a contragosto, que os judeus israelenses não vão sair de lá. Da mesma maneira que os judeus israelenses – a contragosto – também aceitam que os palestinos estão aqui para ficar. Essa não é uma base para uma lua de mel, mas talvez para um divórcio justo, assim como no caso da República Tcheca e da Eslováquia.

Mas isso evoca a imagem de um Estado palestino com uma economia em crise, um governo fraco que não consegue ser maior que grupos radicais e que pode usar a hostilidade em relação a Israel para permanecer no poder.

Isso depende da quantidade de apoio e ajuda material que o novo Estado palestino receberia de Israel, dos países árabes ricos e do resto do mundo. Muitas pessoas argumentam que a solução de dois Estados está morta, dada a quantidade de assentamentos e estradas construídas na Cisjordânia. Mas anos atrás, eu vi o primeiro-ministro Ariel Sharon remover todos os assentamentos judaicos e os militares judeus da Faixa de Gaza em cerca de 36 horas e sem derramamento de sangue. Não estou sugerindo que isso se repetiria facilmente na Cisjordânia, mas acredito que nada no mundo é irrevogável, exceto a morte.

No entanto, o governo de direita de Israel tem uma base de apoio forte entre os colonos judeus.

É um governo de direita apoiado por um partido centrista e pacifista chamado Yesh Atid. E é está nas mãos desse partido centrista e relativamente pacifista decidir o futuro do governo de direita.

Você fala de uma solução de longo prazo, mas o que poderia ser um acordo de curto prazo?

As atuais hostilidades só vão parar, infelizmente, quando uma das partes ou ambas estiverem esgotadas. Esta manhã, eu li com muita atenção a carta de princípios do Hamas. Ela diz que o profeta ordena cada muçulmano a matar todos os judeus em todo o mundo. Ele cita os Protocolos dos Sábios de Sião e diz que os judeus controlam o mundo através da Liga das Nações e das Nações Unidas, que os judeus ocasionaram as duas guerras mundiais e que todo o mundo é controlado por dinheiro judaico.

Eu quase não vejo perspectiva de um acordo entre Israel e Hamas. Eu fui um homem de acordos toda a minha vida. Mas mesmo um homem apaziguador não pode se aproximar do Hamas e dizer: "Talvez haja uma solução e Israel só existirá às segundas, quartas e sextas-feiras." O Hamas está exigindo atualmente que o bloqueio à Faixa de Gaza acabe. Eu concordo com isso. Eu acho que uma abundância de recursos internacionais, árabes e israelenses deveriam ser direcionados para Gaza em troca de uma desmilitarização eficaz. Esta é uma proposta que Israel deveria fazer imediatamente.

Isso não seria um sinal de que de que lançar foguetes seja um meio viável de exercer pressão?

Se o retorno for uma eficaz desmilitarização da Faixa de Gaza, tenho certeza que pelo menos 80% dos judeus israelenses vai endossar tal acordo – mesmo no presente estado de espírito militante.

Você está entre os 85% dos israelenses que querem que a ofensiva continue até que os objetivos estratégicos de destruir os túneis e foguetes sejam atingidos?

A única alternativa para continuar a operação militar israelense é fazer como Jesus Cristo e dar a outra face. Eu nunca concordei com Jesus Cristo sobre a necessidade de dar a outra face a um inimigo. Ao contrário de pacifistas europeus, nunca acreditei que o mal supremo no mundo é a guerra. Na minha opinião, o mal supremo no mundo é a agressão e a única maneira de repelir a agressão é, infelizmente, pela força. É aí que reside a diferença entre um pacifista europeu e um pacifista israelense, como eu. E se posso adicionar uma pequena história: um parente meu que sobreviveu ao Holocausto nazista em Theresienstadt sempre lembra seus filhos e seus netos que sua vida foi salva, em 1945, não por manifestantes de paz com cartazes e flores, mas por soldados e metralhadoras soviéticos.

Qual o efeito que as hostilidades constantes têm sobre as pessoas?

Um efeito muito ruim. Elas aumentam o ódio, o rancor, as suspeitas, a desconfiança. Mas este é o caso de todas as guerras. É uma suposição sentimentalista e muito comum a esperança de que, de alguma forma, os inimigos vão começar a entender uns aos outros e a gostar uns dos outros e, eventualmente, eles vão se conciliar e fazer a paz. Ao longo da história, as coisas sempre funcionam ao contrário. Inimigos com seus corações cheios de amargura e ódio assinam um contrato de paz de cara feia e com sentimentos de vingança. Então, no decorrer do tempo, eventualmente, pode-se conseguir uma melhora gradual.

Você escreveu há 50 anos que "mesmo uma ocupação inevitável é uma ocupação corruptora".

Eu não concordo comigo mesmo sempre, mas aqui eu ainda concordo. A ocupação é corruptora, mesmo que isso seja inevitável. Brutalidade, chauvinismo, estreiteza mental, a xenofobia são as síndromes habituais do conflito e ocupação. Mas a ocupação israelense da Cisjordânia não é mais inevitável.

Se você não tivesse começado a entrevista, eu teria perguntado: Como você está?

Bem, pessoalmente, eu não estou muito bem. Acabo de retornar do hospital após três cirurgias e estou lentamente me recuperando em casa entre uma sirene de ataque aéreo e outra. Quando as sirenes tocam, nós vamos para o abrigo, esperamos por alguns instantes e, em seguida, tentamos continuar as nossas vidas até o próximo aviso.

Você não conseguiu buscar abrigo em um hospital. Parece assustador.

Não, não é. Eu vivi uma vida longa e eu lutei no campo de batalha duas vezes. Por isso, só o que é assustador é quando penso em meus netos.

Os israelenses podem se sentir seguros?

O quão seguro o povo judeu se sente neste planeta? Eu não penso sobre os últimos 20 ou 50 anos, mas sobre os últimos 2 mil anos. Mas vou dizer-lhe que a minha esperança e oração para o futuro de Israel é que o país saia das primeiras páginas de jornal de todo mundo para conquistar, ocupar e construir assentamentos na literatura, nas artes, na música e na arquitetura. Este é o meu sonho para o futuro.

Leia mais