1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Israel realiza eleições marcadas por avanço de partidos de direita

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e seu desafiante da direita religiosa, Naftali Bennett, devem ser os grandes vencedores da eleição para o Knesset.

Num centro comercial em Rechovot, uma pequena cidade no centro de Israel, os cabos eleitorais ainda estão em acirrada campanha pelos seus candidatos e partidos. Nada menos que 34 partidos disputam os 120 assentos do Knesset, o Parlamento israelense.

No estande da coligação de direita Likud-Beitenu, o cabo eleitoral Eyal mostra-se confiante: "Nós precisamos de um primeiro-ministro forte, e espero que o Likud receba muitos votos", disse o jovem, segurando um cartaz do atual ocupante do cargo, Benjamin Netanyahu. "Nós temos o melhor primeiro-ministro, não precisamos substituí-lo", afirmou uma senhora idosa. "Só ele pode nos dar segurança."

Mas também Netanyahu está enfrentando quedas nas pesquisas de intenção de voto. A união de seu partido, o Likud, com o nacionalista Israel Beitenu, do ex-ministro do Exterior Avigdor Liebermann, custou-lhe alguns votos. Devido a acusações de fraude, Liebermann teve de renunciar ao cargo e virou um fardo político.

O atual primeiro-ministro também está perdendo votos para a ala à sua direita. Por exemplo para a estrela da campanha eleitoral, Naftali Bennett. Desde novembro, o político de 40 anos preside o partido Habayit Hayehudi (Casa Judaica), de orientação nacionalista e religiosa. Até agora o partido da direita religiosa participava da coalizão de governo com apenas três assentos no Knesset. Pode subir para 12 ou até 14 assentos.

Naftali Bennett Vorsitzender Habayit Hayehudi Partei

Naftali Bennett, a nova estrela da política israelense, tira votos do atual primeiro-ministro

Nova estrela da direita

Bennett, magnata do setor de alta tecnologia e ex-soldado de elite, conferiu um rosto novo e moderno ao partido. Em campanha no pequeno vilarejo Rosh HaAyin, ele foi recebido por muitos jovens. Yaron, de 19 anos, vai votar pela primeira vez e pretende dar seu voto a Bennett. "Ele é digno de confiança e realmente me convenceu. Acho que ele pode fazer algo por Israel", disse o jovem. Em seus comícios, Bennett gosta de falar da "Primavera Judaica" e do retorno aos valores judaicos.

"Nossa prioridade é resolver os problemas em Israel. Os preços das moradias subiram 40%, os salários não são suficientes para viver", declarou Bennett à Deutsche Welle. "Além disso, precisamos parar de falar em 'sim' ou 'não' à Palestina", acresceu. Ele rejeita a ideia de um Estado palestino: "Quando se dá murro em ponta de faca durante anos, então é preciso repensar, mudar os planos a fim de chegar a uma paz verdadeira", declarou, confiante. Se dependesse dele, Israel deveria anexar a chamada Área C, ou seja, cerca de 60% da Cisjordânia.

As teses linha-dura do novato político provocaram manchetes, sobretudo no exterior. Em Israel, o rápido crescimento de sua popularidade surpreende. "Ele é carismático, jovem, religioso, mas parece mais moderno que os políticos religiosos anteriores. Além disso, vem do setor de alta tecnologia e esteve numa unidade militar de elite", afirmou o cientista político Tamir Sheafer, da Universidade Hebraica de Jerusalém. Isso o torna atraente também para um público mais amplo. Na ala da direita, ele agrega todos aqueles que se opõem a uma solução de dois Estados, disse Sheafer.

No campus da universidade nem todos se deixaram impressionar por Bennett. "Esse burburinho em torno dele me irrita", disse uma jovem estudante de ciências políticas. "Mas a situação já chegou a este ponto: as pessoas não veem solução, elas já enterraram o processo de paz. Então algo assim tem boa recepção." Outro aluno descreveu o clima em Israel da seguinte forma: "Sempre que a situação fica difícil, seja após um conflito como esse em Gaza, seja por problemas econômicos ou sociais, damos uma guinada à direita. Trata-se de um padrão simplista, mas Israel é assim, lamentavelmente."

Netanjahu Wahlkampf Israel

Netanyahu em campanha eleitoral: queda nas pesquisas, mas liderança assegurada

Nada vai mudar

Na véspera da eleição, o clima entre os eleitores é variado. Muitos acreditam que pouco vai mudar. E por volta de 15% dos eleitores ainda estão indecisos, de acordo com uma pesquisa do jornal Haaretz, divulgada na última sexta-feira.

No bulevar Rothschild, no centro de Tel Aviv, onde a onda de protestos que tomou conta de Israel teve início, há dois anos, predomina o ceticismo. "Todo mundo espera que Netanyahu continue primeiro-ministro", disse Neta, uma transeunte. "Mas eu espero que haja pelo menos uma forte oposição de esquerda. Ainda que pouco tenha restado da esquerda. Eles se autodenominam agora o novo centro."

Também o designer gráfico Ronny Edry participou dos protestos há dois anos. Mais tarde, ele protestou com a campanha de internet "Israel loves Iran" contra a retórica belicosa do governo Netanyahu.

Wahlen in Israel Wahlwerbung in Tel Aviv

Cartaz eleitoral em Tel Aviv

Edry é crítico quanto ao legado da onda de protestos em Israel. "Nada mudou, pelo contrário. E a direita política percebeu isso, porque não conseguimos impor nossas exigências. Os preços estão subindo, tudo continua igual", disse o ativista de 41 anos.

Mesmo assim, dois líderes dos protestos sociais da época concorrem pelo Partido Trabalhista, que pode se tornar o segundo mais forte. No entanto, ainda não se sabe quem, da ala de centro-esquerda, poderia participar de uma coalizão com Netanyahu. Para Edry, uma coisa é certa: "O povo israelense tem que se decidir e, em minha opinião, eles estão tomando as decisões erradas. Nós construímos mais assentamentos e nos deslocamos cada vez mais para a direita. No final, isso nos deixará sem saída."

Autora: Tania Krämer (ca)
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais