1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Israel propõe conferência de paz por intermédio europeu

Após encontro com chanceler federal alemã, Angela Merkel, o premiê israelense, Ehud Olmert, convida países árabes para conferência de paz. UE também aposta em maior proximidade com o novo governo palestino.

default

Premiê israelense, Ehud Olmert, e Angela Merkel

A União Européia vê novas chances para um processo de paz no Oriente Médio. Durante sua atual viagem à região, Angela Merkel, primeira-ministra da Alemanha e presidente de turno da União Européia, disse reconhecer novas perspectivas de negociação.

Após um encontro com Merkel, em Jerusalém, o premiê israelense, Ehud Olmert, convidou neste domingo (01/04) os países árabes moderados, a começar pela Arábia Saudita, a se reunirem com ele e com o presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas, para uma conversa aberta. Olmert declarou que aproveitaria a ocasião da visita de Merkel para lançar esse convite.

Nos dois primeiros dias de sua visita ao Oriente Médio, Merkel insistiu que a pacificação do Oriente Médio depende da criação de um Estado palestino que reconheça o direito de existência de Israel. Mesmo que esta seja uma perspectiva de longo prazo, ela acredita que a solução de outros conflitos na região dependa disso.

A premiê alemã exigiu que o novo governo palestino e o Hamas dêem um "sinal de séria determinação" e realmente coloquem em prática os critérios do Quarteto para o Oriente Médio (EUA, Rússia, UE e ONU). Isso inclui, além do reconhecimento de Israel, a suspensão da violência e a implementação de todos os acertos feitos até agora.

Quebrar o gelo com o governo palestino

Num encontro realizado em Bremen neste fim de semana, os ministros do Exterior da comunidade decidiram fortalecer o contato com os novos membros de governo palestino que não pertencem à organização extremista Hamas.

A UE assegurou à Liga Árabe "todo o apoio" na implementação das decisões tomadas em seu último encontro de cúpula, realizado na semana passada em Riad. A associação de países árabes concordou em reconhecer o Estado de Israel, sob condição de que o governo israelense desocupe os territórios invadidos em 1967 e permita o retorno dos fugitivos palestinos. O chefe da política externa da União Européia, Javier Solana, considera importante o fato de Israel ter reagido positivamente à proposta da Liga Árabe.

Desde a eleição de um governo liderado pelo Hamas, em março de 2006, a UE limitou seus laços com os palestinos à ajuda humanitária à população. Os ministros do Exterior europeus decidiram, no entanto, que a ajuda financeira européia também pode chegar à população de forma "menos direta". Isso significa que os recursos poderão ser empregados para consolidar e garantir o funcionamento das instituições estatais palestinas.

Leia mais