Israel prepara batalha diplomática contra acusação de crimes de guerra | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 17.10.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Israel prepara batalha diplomática contra acusação de crimes de guerra

Conselho de Direitos Humanos da ONU aprova relatório que acusa o Exército israelense e o grupo palestino Hamas de cometer crimes de guerra durante o recente conflito na Faixa de Gaza. Israel protesta.

default

Netanyahu: campanha longa

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, prometeu uma longa batalha diplomática para deslegitimar acusações feitas pelas Nações Unidas de que seu país cometeu crimes de guerra durante o recente conflito na Faixa de Gaza.

A informação foi divulgada neste sábado (17/10) pelo jornal Haaretz e confirmada à agência de notícias Reuters por um funcionário do governo israelense.

Na sexta-feira, o Conselho de Direitos Humanos da ONU acatou um informe sobre o conflito na Faixa de Gaza. O chamado Relatório Goldstone acusa Israel e o grupo palestino Hamas de cometer crimes de guerra durante o conflito, ocorrido entre dezembro e janeiro.

Dos 47 países que formam o conselho, 25 votaram a favor do relatório, 11 se abstiveram e seis – incluindo os Estados Unidos –votaram contra.

"Israel deve deslegitimar" a acusação, disse Netanyahu, acrescentando que a campanha provavelmente levará anos. O primeiro-ministro convocou uma reunião extraordinária logo após a aprovação do relatório pelo Conselho de Direitos Humanos.

Numa carta conjunta a Netanyahu, o presidente francês, Nicolas Sarkozy, e o primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, afirmaram que a discussão internacional acerca do Relatório Goldstone deve ser feita de modo a permitir uma melhora da situação local. Isso envolveria tanto a segurança de Israel e dos palestinos como a situação humanitária na Faixa de Gaza.

De Netanyahu, Sarkozy e Brown exigiram uma investigação "transparente e imparcial" da ofensiva israelense, que custou a vida de mais de 1.400 palestinos, entre eles mulheres e crianças. Do lado de Israel, morreram 13 pessoas.

Em Washington, um porta-voz do Departamento de Estado dos EUA disse que o governo norte-americano teme que a resolução do Conselho de Direitos Humanos acentue a polarização e a divisão na região. Por isso os EUA votaram contra, afirmou.

Ele ressaltou ainda que a aprovação pelo Conselho de Direitos Humanos não implica automaticamente que o relatório seja analisado pelo Conselho de Segurança. Os Estados Unidos tem poder de veto neste grêmio.

Também o autor do relatório, o jurista sul-africano Richard Goldstone, criticou a resolução do Conselho de Direitos Humanos. Segundo ele, o texto menciona explicitamente crimes cometidos pelo Exército israelense, mas deixa de fora os do Hamas, o que estaria em desacordo com o relatório apresentado.

AS/rtr/dpa/afp

Revisão: Rodrigo Rimon

Leia mais