1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Israel lembra vítimas do Holocausto

Em todo o país são observados dois minutos de silêncio pelo Dia em Memória do Holocausto e pelos 70 anos da libertação dos judeus dos campos de concentração. Netanyahu compara Irã à Alemanha nazista.

Cerimônias realizadas em Israel nesta quinta-feira (16/04) marcaram o Dia em Memória do Holocausto e os 70 anos da libertação dos judeus dos campos de concentração nazistas no final da Segunda Guerra Mundial.

Em todo o país, judeus permaneciam em silêncio e automóveis e ônibus pararam de circular por dois minutos enquanto sirenes soavam.

Ao longo do dia, líderes israelenses participam de cerimônias oficiais no memorial Yad Vashem, em Jerusalém, no Parlamento e em diversos outros locais. Até o fim da tarde, rádios e televisões israelenses transmitem programas sobre o genocídio e tocam músicas tristes. Locais de entrenenimento permanecem fechados.

O tema das solenidades deste ano, "A angústia da libertação e o retorno à vida: 70 anos desde o fim da Segunda Guerra Mundial", trata da dor dos sobreviventes e do desafio de reconstruir vidas despedaçadas.

Cerca de 189 mil sobreviventes do Holocausto vivem em Israel. Segundo a organização de assistência social responsável por seus cuidados, em torno de 25% deles enfrentam dificuldades financeiras, apesar da ajuda do governo.

Netanyahu compara Irã à Alemanha nazista

Na abertura das solenidades em homenagem aos seis milhões de judeus mortos no Holocausto, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, comparou a Alemanha nazista de Hitler ao Irã dos dias atuais.

Israel Holocaust Gedenktag

Netanyahu lança novas críticas ao acordo nuclear com o Irã durante solenidade

"Assim como os nazistas, que almejavam eliminar a civilização e estabelecer o domínio de uma raça superior no planeta [...] enquanto tentavam eliminar o povo judeu, também o Irã busca tomar o controle da região, ampliar seu território e destruir o Estado judaico", afirmou Netanyahu, que não perde uma oportunidade para criticar o

acordo nuclear entre as potências mundiais e o Irã

, que deve ser finalizado até 30 de junho.

O primeiro-ministro alertou contra o apaziguamento de "regimes tirânicos", questionando se as lições da Segunda Guerra Mundial foram de fato assimiladas. "Terá o mundo realmente aprendido com a incompreensível tragédia judaica do último século?", perguntou.

"Governos democráticos cometeram um erro terrível antes da Segunda Guerra Mundial, e nós, juntamente com muitos de nossos vizinhos, estamos convencidos de que um grave erro também está sendo cometido agora", afirmou o primeiro-ministro.

RC/afp/ap

Leia mais