Israel ataca instalação militar perto do aeroporto de Damasco | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 27.04.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Síria

Israel ataca instalação militar perto do aeroporto de Damasco

Alvo seria armazém de armas e munições enviadas pelo grupo xiita libanês Hisbolá através do Irã. Ambos apoiam o regime de Bashar al-Assad na guerra civil que já dura seis anos.

default

O aeroporto de Damasco em foto de arquivo

Israel atacou com mísseis no início da manhã desta quinta-feira (27/04) uma posição militar perto do aeroporto internacional de Damasco, noticiou a agência de notícias oficial da Síria, a Sana. "Uma posição militar no sudoeste do aeroporto de Damasco foi alvo de um ataque israelense com mísseis disparados a partir do território ocupado, o que causou explosões no local que resultaram em danos materiais", disse uma fonte militar, citada pela Sana.

Segundo rebeldes que lutam contra o regime do presidente Bashar al-Assad, o alvo foi um depósito de armas e munições operado pelo grupo xiita libanês Hisbolá, aliado do regime. As armas armazenadas no local teriam sido enviadas pelo Irã por aviões de carga comerciais e militares para o grupo xiita libanês Hisbolá.

Vídeos divulgados por emissoras libanesas e compartilhados nas redes sociais mostram que os ataques provocaram incêndios, sugerindo a existência de armas e combustíveis contendo explosivos no local. A emissora de TV Al Manar, ligada ao Hisbolá, noticiou que o ataque atingiu tanques de combustível e armazéns e que não houve vítimas.

Como de praxe, as Forças Armadas israelenses evitaram se pronunciar sobre o caso e não confirmaram nem desmentiram a acusação. A imprensa israelense trata o ataque como tendo sido executado por Israel.

Apesar de não confirmar a autoria, Israel sugeriu envolvimento. "O incidente na Síria corresponde totalmente às políticas de Israel de agir para evitar o contrabando de armas avançadas do Irã para o Hisbolá via Síria", afirmou o ministro da Inteligência Israel Katz à Rádio do Exército, acrescentando que o premiê israelense, Benjamin Netanyahu, "disse que iremos agir sempre que recebermos informações que indiquem a intenção de transferir armas modernas ao Hisbolá".

Assad conta com o apoio da Rússia, do Irã e de milícias xiitas regionais na guerra civil, que já dura seis anos. Estas incluem o Hisbolá, um aliado próximo de Teerã e inimigo de Israel, que, por sua vez, descreve o grupo como a maior ameaça que enfrenta em suas fronteiras. Em 2006, os dois se enfrentaram numa guerra de um mês.

IP/rtr/afp/lusa/efe/ap

Leia mais