1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Iraque anuncia retomada total de Ramadi das mãos do EI

Forças iraquianas confirmam que cidade está totalmente liberada do "Estado Islâmico", que a controlavam desde maio. É a segunda grande vitória militar contra os extremistas. Próximo objetivo é retomar Mossul.

default

Bandeira iraquiana em Ramadi: conquista da cidade é chave na luta contra o "Estado Islâmico"

O governo iraquiano confirmou nesta segunda-feira (28/12) que suas forças de segurança libertaram totalmente a cidade de Ramadi das mãos dos extremistas do "Estado Islâmico" (EI), após uma ofensiva iniciada na semana passada.

O porta-voz das Forças Armadas, o brigadeiro Yahya Rasool, contou que a bandeira iraquiana foi erguida sobre o

complexo governamental de Ramadi

, que era o último bastião de resistência do EI. "Sim, a cidade foi liberada", afirmou o militar em pronunciamento à rede de televisão estatal.

A vitória em Ramadi, capital da província majoritariamente sunita de Anbar, no vale do rio Eufrates, a oeste de Bagadá, tira do EI sua principal conquista de 2015. Os extremistas capturaram a cidade em maio, depois de tropas do governo fugirem derrotadas, o que levou Washington a reavaliar a estratégia contra o "Estado Islâmico".

A reconquista da cidade é uma grande vitória para os militares iraquianos, que têm o apoio da coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos. É a segunda grande cidade retomada do "Estado Islâmico" depois da reconquista de Tikrit, em abril.

Os militares iraquianos planejam também a retomada de Mossul, no norte do país, maior centro populacional sob controle do EI. Antes da guerra, a cidade tinha uma população de 2 milhões de habitantes.

A reconquista de Mossul eliminaria a estrutura estatal do EI no Iraque e privaria o grupo de uma importante fonte de recursos, provenientes em parte da exploração de petróleo e em parte da cobrança de taxas e impostos dos residentes.

O "Estado Islâmico" ocupou um terço do território iraquiano em um ataque em junho de 2014 e declarou a criação de um califado para governar sobre todos os muçulmanos do Iraque e da Síria, executando assassinatos em massa e instalando uma forma draconiana do islamismo.

Desde então, a batalha contra o grupo nos dois países passou a envolver a maioria das potências mundiais e locais, frequentemente competindo com aliados em uma complexa guerra civil com múltiplos nuances.

Uma coalizão liderada pelos Estados Unidos vem travando uma ofensiva aérea contra o grupo nos dois países, mas reconstruir o Exército iraquiano até um ponto em que pudesse recapturar e manter territórios tem sido um dos maiores desafios.

RC/rtr/ap

Iraque anuncia reconquista de complexo do governo em Ramadi

Leia mais