Iraniana condenada à morte ameaça processar jornalistas alemães | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 02.01.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Iraniana condenada à morte ameaça processar jornalistas alemães

Referindo-se aos alemães presos no Irã, Sakineh Ashtiani disse que pretende "processar os que trouxeram vergonha sobre ela e seu país". Na Alemanha, cem personalidades reivindicam a libertação dos repórteres do "Bild".

default

Sakineh Ashtiani e o filho em coletiva de imprensa no Irã

A iraniana Sakineh Mohammadi Ashtiani, condenada ao apedrejamento por suposto adultério, anunciou que vai processar os dois repórteres alemães presos no Irã ao tentarem entrevistar seu filho, Sajjad Ghadersadeh. Diante de jornalistas estrangeiros, ela disse neste sábado (1/1) em Tabriz, no noroeste do Irã, que quer "processar os que trouxeram vergonha sobre ela e seu país".

Além dos alemães presos desde outubro, Sakineh disse querer processar também seu ex-advogado Mohammed Mostafaie, seu ex-amante, Issa Taheri que, segundo a Justiça iraniana, teria colaborado no assassinato do marido de Sakineh Ashtiani, assim como a porta-voz do Comitê contra o Apedrejamento, Mina Ahadi, que mora na Alemanha.

NO FLASH Sakineh Mohammadi Ashtiani und Sohn

Ashtiani com o filho, Sajjad Ghadersadeh, durante coletiva. Não foram permitidas perguntas

A curta coletiva de imprensa foi organizada por representantes da Justiça no alojamento de uma organização caritativa iraniana, onde Ashtiani pôde se encontrar seus dois filhos. Ela afirmou estar falando "por vontade própria" e disse que muitas pessoas teriam "tirado proveito" de seu caso e teriam dito que ela foi torturada, "o que é mentira", salientou a iraniana de 43 anos. Não foi permitido que os jornalistas fizessem perguntas a Ahstiani, que foi apresentada ao lado do filho.

Neste domingo, um alto representante da Justiça iraniana disse que a condenação de Ashtiani ao apedrejamento poderia ser anulada. Um funcionário de alto escalão de um tribunal da província de Azerbaijão do Leste afirmou, segundo a agência iraniana de notícias Fars, que continuam existindo "dúvidas" sobre as provas do caso.

Reações alemãs

Schauspielerin Veronica Ferres 2010

Atriz alemã Veronica Ferres

O vice-diretor de redação do jornal Bild am Sonntag, Michael Backhaus, se disse surpreso neste domingo que "uma mulher condenada à morte no Irã possa deixar a prisão por algumas horas, para dizer à imprensa ocidental que quer processar jornalistas que pretendiam falar sobre seu caso".

Tom semelhante veio do Ministério alemão de Relações Exteriores: "A forma e o conteúdo das declarações citadas levantam muitas perguntas", disse uma porta-voz em Berlim. Fontes diplomáticas observam que "infelizmente não é incomum no Irã que as pessoas sejam obrigadas a fazer declarações". Já a porta-voz do Comitê Internacional contra o Apedrejamento, Mina Ahadi, disse que Ashtiani fez a ameaça de processo "sob enorme pressão".

Apelo de personalidades

Cem personalidades alemãs da política e das áreas econômica, esportiva e cultural participaram de um apelo ao Irã para que liberte os dois jornalistas presos.

Flash-Galerie inhaftierte deutsche Journalisten im Iran

Parentes puderam visitar os repórteres no Natal

A iniciativa do jornal Bild am Sonntag foi seguida por diversos ministros, como Guido Westerwelle, de Relações Exteriores, líderes de todos os partidos da Alemanha e pela Confederação Alemã de Sindicatos.

O ministro alemão da Defesa, Karl-Theodor zu Guttenberg, lembrou que "um Estado como o Irã, que tanto pede compreensão, deveria atentar para não desperdiçá-la em outras áreas". Também os presidentes do Deutsche Bank, Josef Ackermann; da Daimler, Dieter Zetsche; e da BMW, Norbert Reithofer, apelaram ao Irã para que liberte os alemães detidos.

O presidente da Telekom, Rene Obermann, lembrou que "a libertação na entrada do Ano Novo seria um gesto humanitário". Entre as demais personalidades que ratificaram o pedido estavam o cantor Udo Lindenberg, o ex-tenista Boris Becker, a Nobel de Literatura Herta Müller e a atriz Veronica Ferres.

Apedrejamento suspenso

inhaftierte deutsche Journalisten im Iran

Repórter alemão com familiar em Tabriz

Ashtiani havia sido condenada em 2006 ao apedrejamento por causa de adultério e homicídio. A execução da pena, no entanto, foi suspensa. Seu filho havia sido detido em 10 de outubro em Tabriz, junto com um advogado da família e os dois repórteres do jornal Bild, que pretendiam fazer uma entrevista com o rapaz.

Segundo o Irã, os dois alemães tinham visto de turista, e não o exigido para desempenhar atividades jornalísticas. O filho disse que foi libertado em 12 de dezembro, após o pagamento de caução. No Natal, após muita pressão diplomática da Alemanha, foi permitida a visita de familiares aos dois alemães, que continuam presos.

RW/afp/rtd
Revisão: Marcio Damasceno

Leia mais