1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Eleição no Irã

Irã veta ex-presidente e candidato de Ahmadinejad da corrida eleitoral

Decisão do Conselho de Guardiães afasta das eleições de 14 de junho nomes que desagradavam às alas mais conservadoras do regime e abre caminho para políticos do círculo de confiança do aiatolá Ali Khamenei.

A imprensa estatal iraniana anunciou nesta terça-feira (21/05) que estão vetadas da corrida eleitoral as candidaturas de Esfandiar Rahim Mashaie, aliado próximo do atual presidente Mahmoud Ahmadinejad, e do ex-presidente Akbar Hashemi Rafsanjani, que concentrava boa parte das esperanças de reformas na cerceada República Islâmica. 

A decisão do poderoso Conselho de Guardiães, que aprova ou rejeita presidenciáveis no Irã, abre caminho para que as forças mais conservadoras sucedam Ahmadinejad – que não pode mais se reeleger – nas eleições de 14 de junho.

Entre os oito candidatos que teriam sido aprovados estão Said Yalili, chefe negociador para a questão nuclear; o ex-chanceler Ali Akbar Velayati; o ex-prefeito de Teerã Mohamed Qalibaf; e o ex-presidente do Parlamento Gholam-Ali Haddad – todas figuras conservadoras e de comprovada lealdade ao aiatolá Ali Khamenei, líder supremo do país.

Há dias já especulava-se que as candidaturas poderiam ser barradas. Presidente entre 1989 e 1997, Rafsanjani era apoiado por reformistas e criticado pelas alas mais conservadoras do regime por ter apoiado as manifestações realizadas após a controversa reeleição Ahmadinejad, há quatro anos. 

Akbar Hashemi Rafsanjani

O ex-presidente Akbar Hashemi Rafsanjani, criticado por defender reformas no regime

Na ocasião, milhares de pessoas, convocadas por várias forças da oposição, organizaram protestos contra a reeleição de Ahmadinejad. Para muitos iranianos, a reeleição do presidente – hoje rival de Khamenei – foi manipulada pelas forças conservadoras leais ao aiatolá.

As relações entre Khamenei e Ahmadinejad, no entanto, estão arranhadas há anos, num processo de deterioração que ganhou força em abril de 2011. Na época, o presidente pressionou o então ministro da inteligência, Haidar Moslehi, um aliado do aiatolá, a renunciar, mas Khamenei cuidou para que ele voltasse ao cargo.

Ao excluir os dois candidatos, o regime dos aiatolás tenta silenciar as principais forças moderadas e opositoras e evitar uma repetição dos protestos de 2009. Ao mesmo tempo, afasta vozes dissidentes num momento delicado para o Irã, minado pela série de sanções internacionais impostas pelo Ocidente por conta de seu programa nuclear.

RPR/ rpr/ afp/ ap

Leia mais